Na TV, governador do Amapá alega inocência

Candidato à reeleição, Pedro Paulo Dias exibe em programa eleitoral [br]cenas de sua volta a Macapá, após a prisão

Alcinéa Cavalcante ESPECIAL PARA O ESTADO MACAPÁ, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 00h00

O governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), que tenta a reeleição, abriu ontem seu primeiro programa do horário eleitoral depois dos nove dias que passou preso na superintendência da Polícia Federal em Brasília declarando inocência. Ele contou que no dia 10 de setembro foi acordado com um mandado de prisão e teve a casa vasculhada na frente dos filhos.

O programa exibiu cenas da chegada de Pedro Paulo Dias ao Amapá, na segunda-feira, quando milhares de pessoas foram recepcioná-lo no aeroporto de Macapá, e veiculou depoimentos de eleitores que dizem acreditar na inocência do governador, gente que diz que confia nele e que a Operação Mãos Limpas foi uma armação para prejudicá-lo.

Pedro Paulo Dias encerrou o programa dizendo que não teme o que vai encontrar pela frente e que vai provar sua inocência.

Caboclo. Outro que jura inocência é o ex-governador e candidato ao Senado Waldez Góes (PDT), também preso na Operação Mãos Limpas. No programa de ontem à noite - o primeiro desde que foi preso -, Góes disse que os adversários quiseram destruí-lo, mas, como "caboclo amazônico" que é, está de volta mais forte "para desespero dos adversários".

O candidato afirmou que não pode ser condenado previamente e garantiu que, se eleito, fará um documento ao Senado pedindo a cassação do próprio mandato caso seja provada alguma das acusações feitas a ele.

O programa foi aberto mostrando Góes e sua mulher Marília - que também foi presa pela Polícia Federal - desembarcando do avião e correndo ao encontro dos filhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.