Na última sexta-feira do ano, fiéis homenageiam Senhor do Bonfim

Incenso, água benta e roupas brancas. De um lado, mães de santo, devidamente trajadas, davam passes com milho branco. De outro, padres oravam e jogavam água benta. O sincretismo religioso deu o tom nas homenagens a Senhor do Bonfim - Oxalá, no sincretismo religioso -, nesta sexta-feira, em Salvador.Milhares de católicos e adeptos das crenças afro-brasileiras subiram a Colina Sagrada, onde fica a Igreja do Bonfim, na última sexta-feira do ano, para entrar 2007 com as energias renovadas. Vale lembrar que sexta-feira é o dia do orixá. "Desde criança venho agradecer para entrar no novo ano bem", conta a aposentada Maria Glória da Cruz Santana, de 67 anos. "Dei graças pela minha saúde, que está boa, e pelo meu neto mais novo, que passou no vestibular." A procura dos fiéis foi mais intensa durante a manhã.As quatro missas realizadas em homenagem ao santo não foram suficientes para abrigar todos os fiéis que foram ao local. "Não conseguimos entrar na igreja, mas estamos aqui limpando a alma", comemorou a vendedora Laisiane Carlos Afonso, de 33 anos.Ela levou o marido e as duas filhas para serem bentos pelo padre, na escadaria da construção, e esperava na fila para tomar um passe. "É uma tradição que passa de mãe para filha vir agradecer e pedir um bom ano a Senhor do Bonfim e a Oxalá."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.