Na véspera da decisão de Rosinha, Lula criticou a postura da governadora

Um dia antes de a governadora Rosinha Matheus nomear o marido secretário da Segurança Pública , o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez declarações claras sobre o que o seu governo pensa sobre o governo do Estado do Rio de Janeiro e sua dificuldade em combater o crime organizado. "O crime organizado tem vencido vergonhosamente a polícia deste país. O povo espera que o governo dê orientação." Em seu texto de hoje em O Estado, a colunista Dora Kramer diz que Lula acabou, em duas frases, ?com o argumento de que o vandalismo generalizado é apenas uma reação da bandidagem à eficiência da polícia e assumiu que o rumo da solução deve ter comando nítido, qual seja, o do governo federal.? O presidente Lula ? destacou a jornalista - foi claro quanto à qualidade das relações entre a União e os Estados, ao ressaltar o sentido de colaboração que tem encontrado no governador Paulo Hartung, fazendo questão de anunciar que o Espírito Santo terá a contrapartida em ajuda federal. Lula citou especificamente o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, para não deixar dúvidas a respeito da natureza do auxílio. Exatamente aquele tipo de apoio que a governadora Rosângela Matheus reivindica ao afirmar que pretende ser tratada como "aliada". Em seu discurso de ontem no Espírito Santo, Lula fez um apelo em termos fortes à compreensão de que ou as instâncias públicas trabalham juntas ou a guerra contra o crime organizado estará perdida. No Espírito Santo, o governador Paulo Hartung não cedeu um milímetro de seu poder real. Ao contrário, ao dividir, somou força política e administrativa. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.