Douglas Magno/AFP
Douglas Magno/AFP

Nada foi feito para prevenir, diz promotor do caso de Mariana sobre Brumadinho

Em entrevista à Rádio Eldorado, promotor Guilherme de Sá Meneguim afirma que não houve avanços do ponto de vista legal desde o desastre de Mariana, em 2015

Paulo Beraldo e Haisem Abaki, O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2019 | 09h05

Desde o rompimento da barragem em Mariana (MG), em novembro 2015, até o desastre de Brumadinho, na última sexta, não houve avanços na legislação e nem em medidas para promover a prevenção de casos semelhantes. A avaliação é do promotor Guilherme de Sá Meneguim em entrevista à Rádio Eldorado na manhã desta segunda-feira, 28. 

Veja em tempo real as últimas notícias sobre a tragédia de Brumadinho

"Do ponto de vista legal e do ponto de vista preventivo, nada foi feito", afirmou Meneguim, ressaltando que a lei brasileira permite a existência deste tipo de barragem. Para o promotor, é necessário que as empresas gradualmente desativem estruturas como a de Brumadinho e retirem os rejeitos para evitar rompimentos. "A questão não é se, é quando vai romper. Não foi feita nenhuma lei proibindo esse tipo (de barragem) e houve flexibilização dos licenciamentos", disse. 

Segundo ele, que atuou na defesa das vítimas do desastre de Mariana, o rompimento "é muito semelhante". Para Meneguim, a criação de leis e o fortalecimento dos órgãos de fiscalização podem ajudar a evitar tragédias assim. Ele defendeu ainda adaptações no Código Penal para lidar com situações complexas como essa. "Esses fatos não são acidentes. São homicídios, crimes ambientais, e a pena é cadeia". 

Meneguim afirmou que as dificuldades enfrentadas para apurar os responsáveis vão se repetir, mas é possível, com laudos, testemunhas e interrogatórios, chegar à conclusão. "Uma coordenação entre todas as autoridades é muito importante. "Os peritos que trabalharam em Mariana podem ajudar muito", afirma. 

Relembre 

O desastre em Brumadinho ocorreu na tarde de sexta, 25, e deixou dezenas de mortos, feridos e centenas de desaparecidos, segundo balanços divulgados por autoridades. Ainda não há informações sobre as causas do acidente.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.