Douglas Magno/AFP
Douglas Magno/AFP

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Nada foi feito para prevenir, diz promotor do caso de Mariana sobre Brumadinho

Em entrevista à Rádio Eldorado, promotor Guilherme de Sá Meneguim afirma que não houve avanços do ponto de vista legal desde o desastre de Mariana, em 2015

Paulo Beraldo e Haisem Abaki, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2019 | 09h05

Desde o rompimento da barragem em Mariana (MG), em novembro 2015, até o desastre de Brumadinho, na última sexta, não houve avanços na legislação e nem em medidas para promover a prevenção de casos semelhantes. A avaliação é do promotor Guilherme de Sá Meneguim em entrevista à Rádio Eldorado na manhã desta segunda-feira, 28. 

Veja em tempo real as últimas notícias sobre a tragédia de Brumadinho

"Do ponto de vista legal e do ponto de vista preventivo, nada foi feito", afirmou Meneguim, ressaltando que a lei brasileira permite a existência deste tipo de barragem. Para o promotor, é necessário que as empresas gradualmente desativem estruturas como a de Brumadinho e retirem os rejeitos para evitar rompimentos. "A questão não é se, é quando vai romper. Não foi feita nenhuma lei proibindo esse tipo (de barragem) e houve flexibilização dos licenciamentos", disse. 

Segundo ele, que atuou na defesa das vítimas do desastre de Mariana, o rompimento "é muito semelhante". Para Meneguim, a criação de leis e o fortalecimento dos órgãos de fiscalização podem ajudar a evitar tragédias assim. Ele defendeu ainda adaptações no Código Penal para lidar com situações complexas como essa. "Esses fatos não são acidentes. São homicídios, crimes ambientais, e a pena é cadeia". 

Meneguim afirmou que as dificuldades enfrentadas para apurar os responsáveis vão se repetir, mas é possível, com laudos, testemunhas e interrogatórios, chegar à conclusão. "Uma coordenação entre todas as autoridades é muito importante. "Os peritos que trabalharam em Mariana podem ajudar muito", afirma. 

Relembre 

O desastre em Brumadinho ocorreu na tarde de sexta, 25, e deixou dezenas de mortos, feridos e centenas de desaparecidos, segundo balanços divulgados por autoridades. Ainda não há informações sobre as causas do acidente.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.