Namorada de Celso Daniel depõe na PF

A socióloga Ivone de Santana, namorada do prefeito Celso Daniel, depôs na Polícia Federal, que conduz inquérito sobre as possíveis "implicações políticas" do seqüestro e da morte do petista. A PF convocou Ivone porque avalia que existem algumas dúvidas sobre o relato que ela fez, no início do semana, ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil. O delegado Hermes Rubens Siviero Júnior, que preside o inquérito federal, pretendia levantar questões relativas às roupas do prefeito e à ida dela ao edifício Cabo Horn, na região central de Santo André, onde Celso Daniel morava, no dia seguinte ao seqüestro.Aparentando abatimento, Ivone seguiu ao prédio sede da PF às 14h30, amparada pelo deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), destacado pela cúpula do partido para acompanhar as investigações policiais. Até as 19h10, a socióloga ainda estava sendo ouvida. Siviero Júnior pretendia perguntar se Ivone efetivamente foi ao prédio do prefeito na manhã de sábado, dia 19, quando Celso Daniel ainda estava desaparecido - o seqüestro ocorreu na noite anterior. À Polícia Civil, Ivone contou que foi ao apartamento do prefeito, acompanhada do secretário de Serviços Municipais da Prefeitura de Santo André, Klinger Luiz de Oliveira Sousa, para verificar se havia recados gravados na secretária eletrônica do telefone fixo de Daniel.A PF tem dúvidas a respeito do depoimento de Ivone, porque recebeu informação de que a socióloga não teria acompanhado Klinger. Também existem dúvidas sobre o reconhecimento da roupa que o prefeito vestia na noite do seqüestro. O deputado Greenhalgh tem acompanhado pessoalmente todos os depoimentos tomados pela polícia. O parlamentar petista afirma que o partido é "o principal interessado no esclarecimento total do caso". Greenhalgh disse que o PT está "à inteira disposição" das autoridades.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.