Namorada entrega lista de inimigos do coronel

A advogada Carla Prinzivalli Cepollina, 39 anos, entregou ao DHPP uma lista com o nome de dez supostos inimigos do coronel da reserva e deputado estadual Ubiratan Guimarães, que teriam interesse em sua morte. Na relação está o nome de um coronel identificado apenas por Gérson, que seria chefe de seu comitê eleitoral. De acordo com a mãe de Carla, a também advogada Liliana Prinzivalli, Ubiratan brigou com Gérson uma semana antes do crime e chegou a mandá-lo embora. Depois desconsiderou a demissão. Todas as outras pessoas são ex-funcionárias da vítima.A lista foi entregue a três delegados do DHPP, que ouviram o depoimento de mãe e filha. Elas começaram a ser ouvidas às 11h e até as 22h30 a audiência não havia terminado. Carla, que chorou boa parte do depoimento, repetiu o que havia dito informalmente à polícia no dia anterior. Disse que amava o namorado e que não teria motivos para matá-lo. O depoimento, que ainda está acontecendo, só foi interrompido às 15h, para um breve lanche e para o atendimento da advogada Liliana Prinzivalli, mãe de Carla, que passou mal enquanto acompanhava a audiência. Sem condições de continuar ao lado da filha, Liliana foi substituída por um representante da Comissão de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo, acionado pelo DHPP.Ela foi ouvida pelos delegados do DHPP e pelo promotor criminal Carlos Roberto Marangone Talarico, destacado para acompanhar as investigações.Carla entregou notas fiscais de objetos que tinha comprado a pedido de Ubiratan: dois pares de sapatos adquiridos especialmente para a campanha eleitoral, a troca das fechaduras do apartamento dele, e o presente para uma funcionária do deputado que acabou de dar à luz. As notas ficais foram apresentadas para mostrar que o namoro estava firme e de que a relação do casal era boa. Tanto que no dia que antecedeu a morte, os dois visitaram juntos a funcionária do deputado na maternidade do Hospital Samaritano. Liliana disse que não aprovava o namoro da filha com Ubiratan por dois motivos: por ele estar ameaçado de morte e por ser 24 anos mais velho que Carla.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.