Nani diz que continuou desfilando por amor à escola

Um dia depois de ter se queimado durante o desfile da Mocidade Alegre no sambódromo de São Paulo, a rainha da bateria Nani Moreira afirmou, neste domingo, que continuou sambando depois do acidente por "amor à escola e ao convívio com as pessoas da comunidade". Com queimaduras de segundo grau profundas na mão esquerda e do mesmo grau, porém leves, na testa,ela recebeu alta, na manhã de hoje, do Hospital do Mandaqui, na zona norte. Ao sair de lá, enrolou na mão machucada um terço, que ganhou de uma visita. A moça, musa do desfile da Mocidade pelo terceiro ano consecutivo, vai usar uma luva especial na mão por seis meses para facilitar a cicatrização das queimaduras. Diariamente, terá de fazer curativos na mão e na testa. Nesta segunda, um médico vai à casa dela, na Casa Verde, fazer o primeiro curativo. O momento em que o fogo começou a tomar conta de sua cabeça, segundo ela, foi de terror. "Quando vi as faíscas no rosto, percebi que havia alguma coisa errada. Rapidamente, comecei a puxar (o adereço). O bombeiro veio correndo e me ajudou a tirar o adorno. Fiquei super apavorada." Mesmo sentindo dor, ela disse que nem pensou em parar. "Se fizesse isso, 2006 seria um ano de grande frustração para mim, por não ter concluído o desfile." Nani repetiu o discurso da presidente da escola, Solange Bichara, segundo a qual os adereços pirotécnicos, que, além dela, feriram a passista Michele Moreira, foram testados pelo menos duas vezes no barracão e não apresentaram problemas. Ela garantiu que seu trabalho na avenida é feito "com o coração" e Solange poderia ter certeza de que continuaria desfilando, mesmo com o ferimento. "Sou da comunidade, convivo com todo mundo lá, sempre participo das atividades e jamais abandonaria o desfile." Logo após desfile, Nani, acompanhada pelo marido, Antônio Ricardo Cirilo, foi levada ao hospital. Cirilo ligou imediatamente para a mãe da rainha, Vera, que viu o acidente pela TV, para tranqüilizá-la. Pouco depois de chegar ao Mandaqui, Nani, que é assessora parlamentar, recebeu um telefonema do vereador Edvaldo Estima (PPS), que é seu chefe e queria saber de seu estado de saúde. A rainha da bateria deve ficar algum tempo em repouso, mas já disse que no ano que vem estará na avenida, defendendo as cores da Mocidade Alegre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.