Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

'Não é desarmando o povo que você vai evitar isso', diz Bolsonaro sobre ataques a tiros nos EUA  

Nos últimos dias, três ataques a tiros aconteceram nos EUA matando ao menos 30 pessoas

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2019 | 15h16

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro lamentou neste domingo, 4, as mortes ocorridas em ataques a tiros nos últimos dias nos Estados Unidos, mas repetiu que o desarmamento não é a saída para evitar esse tipo de tragédia.

"Eu lamento, e já aconteceu no Brasil também", afirmou, ao deixar o Palácio do Alvorada. "Mas não é desarmando o povo que você vai evitar isso. No papel, o Brasil é extremamente desarmado e já aconteceu coisa semelhante aqui", acrescentou.

Nos últimos dias, três ataques a tiros aconteceram nos EUA. Pelo menos 20 pessoas morreram no Texas, no sábado, 3, em Ohio houve ao menos nove vítimas neste domingo e outras três morreram em um incidente na Califórnia na segunda-feira, 29.

Em maio, Bolsonaro assinou decreto para facilitar o porte de arma de fogo no Brasil e aumentou o rol de armamentos considerados de uso permitido, ao ampliar o limite de energia de disparo de 407 para 1.620 joules. A mudança possibilitou acesso a calibres como .40 e 9 mm, antes classificados como de uso restrito, e a armas mais pesadas, entre elas carabinas e determinados tipos de fuzis. 

Contestado na Justiça e alvo de derrotas no Congresso, o decreto ganhou novas versões depois, mas na última edição, de junho, a potência permanece a mesma. Em paralelo, o texto incorporou regra de que o Exército teria 60 dias para definir, arma a arma, qual deveria ser restrita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.