Reuters
Reuters

'Não é justo que se suje o nome com algo que só faz mal a você'

É o que afirma o comerciante Francisco Benedito de Souza, de 55 anos, flagrado com 3 gramas de maconha na prisão; processo deu início à análise no STF

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

21 Agosto 2015 | 03h00

O comerciante Francisco Benedito de Souza, de 55 anos, flagrado com 3 gramas de maconha dentro de uma penitenciária em 2009, deu início ao processo em análise no STF. Ele defende a descriminalização do porte de drogas.

1. Qual a sua opinião sobre a repercussão do seu caso e sobre o primeiro voto favorável?

Eu acho interessante, porque não é justo que se suje o nome criminalmente com algo que só faz mal a você.

2. O fato de você ter sido flagrado dentro do presídio - ele havia sido condenado por receptação - interferiu na sua pena?

Não interferiu, porque eu já tinha uma pena para cumprir, não atrapalhou nada. Já respondendo processo, isso não ia piorar muito a minha situação, mas é uma ficha a mais que ficou no meu currículo.

3. Você já tinha experiência com o uso de maconha ou começou na prisão?

Já tinha a experiência, mas não era com frequência. Lá, eu usava como um calmante, para dormir, porque tinha muita atribulação. Não sou viciado.

4. Qual a melhor solução para a questão do porte de drogas?

Ao prender, só vai ficar lotando os presídios. A pessoa que usa maconha tem de ter tratamento de saúde, não prisão ou processo judicial.

Mais conteúdo sobre:
STF porte de drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.