Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

'Não é marketing. É o Bergoglio de sempre', dizem jornalistas argentinos

Repórteres que acompanham o papa desde sua época de cardeal garantem que ele já tinha jeito humilde

Sabrina Valle, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2013 | 14h37

Rio - Jorge Bergoglio manteve o mesmo olhar simples e sincero e as mesmas atitudes de proximidade com o povo antes e depois de se tornar papa Francisco, segundo jornalistas argentinos que o acompanharam durante anos, enquanto este ainda era cardeal em Buenos Aires.

"Diz-se que este papa está surpreendendo. Mas para quem cobria informações religiosas na Argentina não é uma surpresa. Ele sempre foi assim, simples e sincero. Coerente no que diz e no que faz", disse o jornalista Sergio Rubín, do jornal argentino "El Clarín", coautor de uma biografia sobre Bergoglio ("O Jesuíta"). "Não é marketing. É o Jorge Bergoglio de sempre".

Rubín disse que começou a pensar no livro depois que Bergoglio ficou em segundo lugar no conclave de 2005, que elegeu Joseph Ratzinger como pontífice. Não havia a menor perspectiva de que algum dia ele pudesse se tornar papa, disse. Mas sua devoção aos pobres, o contato com o povo e a força que vinha de sua humildade estavam entre as características que o tornavam um bom personagem para ser biografado.

"Era para ser a memória de um grande cardeal", disse. "Ele não gosta de aparecer e, quando o abordamos pela primeira vez sobre o livro, saiu correndo. Como jornalistas, insistimos. Na terceira vez, cedeu".

Durante dois anos, os autores Rubín e Francesca Ambrogetti se encontraram uma vez por mês com o religioso para discutir temas como cultura, igreja, educação, história familiar e etc.

O padre Gustavo A. Sanchez, diretor do projeto "A Voz dos Hospitais" e o repórter da radio Brazos Abiertos (Braços Abertos), de Buenos Aires, Alejandro D´Alessandro, também participaram de uma coletiva de imprensa hoje e compartilharam suas experiências com o pontífice.

O fotógrafo Enrique Cancas, também do "Clarín", relatou não ver mudanças na postura do papa Francisco. Cancas o acompanha há dez anos, inicialmente como fotógrafo freelancer. Segundo ele, no entanto, nos últimos três anos foi sentida uma grande transformação na forma como Bergoglio era tratado, ganhando cada vez mais projeção, embora mantivesse a mesma postura humilde.

Cancas trouxe uma foto de presente para Francisco, com quem se encontrou durante a Jornada Mundial da Juventude, podendo apertar-lhe a mão. "Eu disse: Jorge, te trouxe uma foto", contou. A imagem mostra o close de um jovem em vigília, exibindo uma foto de Francisco e símbolos do seu time de futebol de coração,o San Lorenzo."Sempre se manteve humilde e sincero".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.