Não é só Tiririca que ignora a função de deputado

No horário eleitoral, candidatos fazem promessas que fogem de suas atribuições; 'É irresponsabilidade', diz vice-diretora do Voto Consciente

Bruno Tavares e Ivan Fávero, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2010 | 00h00

O humorista Tiririca, candidato a deputado federal pelo PR, aparece na televisão, durante o horário político, e diz não saber o que faz um parlamentar. "Depois que descobrir eu te conto", afirma. Mas Tiririca parece não estar só.

Passados onze dias do início da propaganda na TV e no rádio, muitos candidatos dão indícios de que, assim como o comediante, não conhecem as verdadeiras atribuições que os aguardam, caso sejam eleitos para as Assembleias ou para o Congresso.

Um exemplo dessa suspeita é a promessa feita por Gerson Marcondes (PTN), ex-deputado federal e candidato a estadual por São Paulo. Em sua campanha, ele afirma: "Trarei o metrô para Guarulhos e zona leste." Ao Estado, Marcondes não explicou como poderia pôr em prática sua promessa. "Sou engenheiro, secretário de Obras. Tenho visto e acompanhado a situação do transporte sobre trilhos. Estive sobrevoando e, como sou do ramo, tenho meu feeling."

Segundo Marcondes, no próximo dia 11 ele apresentará a proposta no Centro de Tradições Nordestinas. "Ela é barata, é palpável, eu vou trazer, isso é uma luta de vida ou morte."

Amparado no mesmo discurso de realizar funções que fogem da alçada de seus cargos, o vereador e candidato a deputado estadual Dr. Milton Ferreira (PPS) afirma no horário político que ampliará o Centro de Referência da Saúde da Mulher e do Idoso.

"É uma irresponsabilidade com a função e cargo que o candidato quer representar", diz Rosângela Giembinsky, vice-diretora do movimento Voto Consciente, referindo-se às propostas. "Não há como um parlamentar realizar ações que envolvam gastos por ser essa uma atividade exclusiva do Executivo."

Rosângela acompanha o que está sendo apresentado nas propagandas políticas e diz estar desapontada com o conteúdo. "Até o momento não vi nenhum candidato dizer que será um bom legislador, que criará marcos regulatórios e que fiscalizará o Executivo", critica. "A campanha está repleta de frases genéricas e chavões como "precisamos cuidar da nossa família", "a favor da segurança", "lutando por você", etc."

No Rio Grande do Sul, o candidato a deputado estadual pelo PRP General Boiabad parece saber quais são as atribuições do cargo: "Quero ser seu representante na Assembleia ajudando a fiscalizar o Executivo e a fazer as leis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.