Não há indícios de sobreviventes, diz Infraero

O brigadeiro José Pereira, presidente da Infraero, informou no final da tarde deste sábado, 30, que não há indícios de sobreviventes entre as 155 pessoas que estavam no Boeing 737-800 da Gol. O avião caiu a cerca de 200 km da Fazenda Jarinã, entre os municípios de Matupá e Peixoto de Azevedo, na divisa entre o Pará e o Mato Grosso.Segundo as primeiras equipes que chegaram ao local da queda, os corpos estão muito mutilados. Militares abriram uma clareira na mata fechada, para permitir o pouso de helicópteros e o desembarque de mais equipes.Até por volta das 18 horas não havia previsão de quanto tempo levará o trabalho da perícia no local. O resgate dos corpos deve começar somente depois de uma ampla investigação na área.O secretário de Segurança do Mato Grosso, Célio Wilson de Oliveira, informou que os corpos das vítimas deveriam ser levados para a Base Aérea da Serra do Cachimbo.O pior acidenteEste é o pior acidente aéreo da história do Brasil. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decretou luto oficial de três dias e começou a receber mensagens de condolências de líderes de outros países. Um dos primeiros foi o presidente francês, Jacques Chirac.A informação inicial era de que o Boeing 737-800 da Gol teria caído depois de ser atingido de raspão por um jato Legacy, fabricado pela Embraer. Mas o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, a assessoria de comunicação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a superintendência de comunicação da Infraero mão confirmam a colisão. O Legacy pousou em uma base aérea próxima, com seus sete ocupantes ilesos. Já o Boeing, perdeu estabilidade e caiu, provavelmente de bico, segundo especialistas da Infraero.Os destroços da aeronave foram localizados por volta das 9 horas deste sábado. As primeiras informações indicavam que não houve incêndio nem explosão, o que contribuiu para alimentar esperanças de haver sobreviventes. O avião da Gol saiu de Manaus às 15h35 da tarde de sexta, rumo ao Rio de Janeiro com escala em Brasília.Antes deste, o pior acidente aéreo ocorrido no País havia deixado 137 mortes. Foi em 8 de junho de 1982, quando um Boeing 727 da Vasp se chocou com uma colina momentos antes de pousar em Fortaleza. Dez anos atrás, em 31 de outubro de 1996, um Fokker 100 da TAM caiu na Vila Santa Catarina, zona sul de São Paulo, poucos minutos após levantar vôo do Aeroporto de Congonhas com destino ao Rio de Janeiro; 99 pessoas morreram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.