Não há possibilidade de privatizar a Sabesp, diz Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje, em entrevista coletiva, que ainda não decidiu que tipo de operação pretende realizar com os 21% de capital acionário da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), uma vez que o Estado detém hoje 71,5% das ações da empresa e pode manter o controle com apenas 50% mais uma ação. Segundo o governador, os estudos a serem contratados de consórcios de bancos definirão a melhor operação a ser realizada: venda ou uso como caução na tomada de financiamentos. Alckmin adiantou que entre 60 e 90 dias após a contratação do consórcio vencedor, o processo de elaboração do estudo será concluído. Até o início do ano que vem, o Estado executará a operação que julgar melhor. Ele insistiu, entretanto, que não vai privatizar a Sabesp. "Não existe nenhuma possibilidade de privatização nem da Sabesp e nem de outras empresas públicas estaduais", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.