Luiz Silveira/Agência CNJ
Luiz Silveira/Agência CNJ

Jungmann anuncia reforço para PF e orçamento de R$ 2,7 bi na Segurança

Entre as medidas, ministro ressalta a realização de concursos para 1.000 vagas na Polícia Federal e na Polícia Rodoviária Federal

Anne Warth, Fabio Serapião e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2018 | 17h56

BRASÍLIA - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta quarta-feira, 28, que o orçamento da nova pasta para este ano será de R$ 2,7 bilhões e que os valores não serão contingenciados. Segundo ele, o governo autorizou a realização de concursos públicos para contratação de novos agentes na Polícia Federal (PF) e na Polícia Rodoviária Federal (PRF). Os concursos devem ser realizados ainda neste ano, com 500 novas vagas para PF e outras 500 para a PRF.

+++ Temer oficializa criação do Ministério da Segurança por medida provisória

"Conversei com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e teremos contingenciamento zero no Ministério da Segurança", afirmou.

+++ Deputados do Rio querem ouvir explicações de generais na Alerj

O ministro anunciou ainda as primeiras ações do Ministério da Segurança Pública, voltadas para a solução de gargalos e que demandavam respostas imediatas. "São ações emergenciais e que serão sequenciadas continuamente", afirmou. Segundo ele, metas nacionais serão definidas nos próximos meses. "É humanamente impossível falar em metas nacionais com apenas 72 horas à frente do ministério."

+++ General que defendeu intervenção militar no Brasil diz que operação no Rio é ‘meia-sola’

Entre as medidas anunciadas, o ministro disse que o governo vai criar um programa para "comprar" o tempo de folga de agentes da PRF. A ideia é ampliar o contingente de agentes patrulhando rodovias. Os postos de videomonitoramento da PRF serão ampliados dos atuais 30 para 330. Na PF, 20 delegados da PF serão deslocados para a área de combate à corrupção e o número de agentes que atuam na fronteira será duplicado, para 300.

Embora não tenha anunciado os recursos que serão destinados para os Estados aplicarem em segurança, o ministro disse que o governo vai cobrar contrapartidas dos governadores. Uma delas será a ampliação do número de policiais em atuação nas ruas, e não em funções administrativas. Jungmann disse ainda que o governo estuda criar uma Força Nacional de Segurança permanente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.