'Não haverá impacto na disputa nem afetará campanha de Cabral'

ENTREVISTA

Alfredo Junqueira/ RIO, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2010 | 00h00

Paulo Baía

PROFESSOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO (UFRJ)

RIO

Apesar de ter paralisado parte da zona sul do Rio, na manhã de sábado, e levar o tema da segurança pública para os programas eleitorais dos candidatos ao governo, a invasão de traficantes armados ao Hotel Intercontinental não deve mudar o quadro da disputa no Estado. A avaliação é do sociólogo e cientista político Paulo Baía, professor da UFRJ.

Qual o impacto desse caso?

No Estado do Rio, a segurança pública está sempre em pauta, mas creio que não haverá impacto no quadro eleitoral. Candidatos podem dar mais ênfase ao tema, mas não afetará a campanha do Sérgio Cabral (PMDB).

Por quê?

Não é fato novo. As providências tomadas foram bem aceitas pela população. Outros governos já passaram por isso e tiveram reações similares. O fato novo na área de segurança pública são as Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs).

Qual será o efeito na eleição?

Trata-se de um elemento muito forte como demanda da população. As declarações de Cabral reforçam que ele vai manter essa linha de ação. A população das comunidades pedem UPP. Do ponto de vista do marketing político, ele acertou em cheio.

UPP é suficiente para resolver a questão de segurança no Rio?

Só a UPP, não. Falta enfrentar a questão da corrupção policial e institucional. É preciso evitar o corporativismo, fazer com que o Ministério Público aja efetivamente. É preciso punir os maus policiais para resolver o problema da violência no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.