''Não pode qualquer pessoa ir com Dilma na aeronave''

BRASÍLIA

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2011 | 00h00

Amanda Patriarca, professora de educação física

Em entrevista ao Estado, a professora de educação física Amanda Corrêa Patriarca conta como conseguiu viajar no avião presidencial para passear no carnaval em Natal.

Ela confessa que a autorização foi dada pelo comandante da aeronave, o coronel Geraldo Lyra Júnior. E confirma que sua mala foi parar no gabinete da presidente Dilma Rousseff. "Foi parar na Dilma, mas depois me devolveram", disse a professora.

Você foi no avião presidencial para Natal passar o carnaval? Sim, eu fui.

Você foi e voltou?

Sim, no mesmo avião.

E você falou com a presidente? Não, só (tive contato) visual e por fora do avião. Ela fica numa outra cabine, com a família. Na cabine, só ficam pessoas que ela permite. Tem um cabine que fica atrás da dela, ainda tinha lugar. E fui no lugar da tripulação.

E quem autorizou?

O comandante da aeronave.

O coronel Geraldo Lyra?

Sim.

E qual a relação sua e de sua irmã com ele?

Ele é amigo da família, amigo dos meus pais.

E quando você soube que poderia viajar de carona no avião presidencial?

Fiquei sabendo um dia antes. Não é permitindo sempre, tem que ter lugar vazio. E não pode qualquer pessoa ir na aeronave com ela.

É verdade que sua mala foi parar no gabinete presidencial? Sim, foi parar na Dilma, mas depois me devolveram.

E no hotel você ficou com a tripulação?

Sim, mas eu tive que pagar uma cama extra no quarto das comissárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.