'Não preciso ficar dizendo que sou da mesma chapa de José Serra'

André Puccinelli (PMDB) diz que dinheiro citado em vídeo como propina era sobra de gastos do Legislativo, o que é desmentido pelo Tribunal de Contas

, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

ENTREVISTA

Yeda Crusius, EX-GOVERNADORA, TENTA A REELEIÇÃO PELO PSDB

Yeda Crusius (PSDB), 66 anos, eleita governadora em 2006, busca segundo mandato.

Qual é o seu projeto?

As fundações que conseguimos no primeiro mandato permitem a construção do Rio Grande do Sul desenvolvido, com melhor distribuição de renda e melhor qualidade de vida do País. Agora temos autonomia orçamentária para fazer as políticas públicas de saúde, educação, segurança, ciência e tecnologia, depois de termos arrumado a casa com o ajuste fiscal.

Em que a sua proposta é melhor que a dos concorrentes?

Desconheço as propostas de governo dos concorrentes.

O PT pode ganhar no primeiro turno. Como conter essa onda?

A estratégia é não enxergar o partido do candidato (Tarso Genro). É uma miscelânea, uma confusão que na verdade aliena o eleitor em relação ao projeto e à pessoa que o conduz. Nós somos o palanque 45, que está permanentemente dizendo a importância de Fernando Henrique (Cardoso, ex-presidente) na construção do País, na importância do (José) Serra na transformação para melhor do nosso Brasil.

A senhora fala no Serra, mas a sua campanha e a dele parecem descoladas.

Não é descolada. Não preciso ficar dizendo que eu sou o Serra.Y

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.