Não sei quando sou presidente ou candidato, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em campanha no Rio Grande do Sul, reclamou da dificuldade de separar o papel de candidato do de presidente, dizendo que ele mesmo se confunde. ?Ser presidente e candidato é meio complicado. Nunca sei quando eu sou candidato e quando sou presidente?, afirmou neste sábado, 29, em São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre. ?Eu estou aqui agora como candidato. Mas se acontecer uma coisa grave volto a ser presidente também. São quase inseparáveis as duas coisas.? Lula disse que vai continuar anunciando projetos em qualquer dia da semana e negou, em seu primeiro discurso de campanha no Rio Grande do Sul, que o anúncio de medidas de ajuda à indústria do Estado, feito na sexta-feira, tivesse sido uma medida eleitoreira. "Eu queria ter vindo anunciar hoje. Mas achei melhor não e mandei a ministra Dilma (Roussef, da Casa Civil) anunciar sem a minha presença. E quando eu vi a imprensa hoje, trataram o anúncio como se fosse uma questão eleitoreira", disse. "Querem saber de uma coisa? Vou continuar fazendo o que precisa ser feito. Não importa se for sábado, domingo, segunda ou quarta".O presidente começou seu discurso para cerca de 3 mil militantes petistas reclamando de cansaço e da dificuldade em separar o papel de candidato do de presidente. "Ser presidente da República e candidato é meio complicado. É quase inseparável", desabafou Lula.Lula chegou ao Rio Grande do Sul tentando recuperar o espaço perdido na região para o candidato tucano Geraldo Alckmin. Sob um frio de oito graus, e atrasado uma hora, o presidente foi imediatamente do aeroporto para São Leopoldo, onde encontrou os candidatos petistas ao governo do Estado, Olívio Dutra, e ao Senado, Miguel Rosseto. O presidente ainda foi acompanhado por seus ministros gaúchos: Dilma Roussef, da Casa Civil; Tarso Genro, das Relações Institucionais; Guilherme Cassel, do Desenvolvimento Agrário; além do ministro da Educação, Fernando Haddad, que é paulista.Lula venceu, no Rio Grande do Sul, todas as eleições desde o segundo turno de 1989, mas as últimas pesquisas mostram que o presidente perdeu espaço. Pela primeira vez, o candidato tucano, Geraldo Alckmin, aparece na frente nas pesquisas.Matéria alterada para acréscimo de informação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.