'Não tenho pretensão de acabar com tráfico' no Rio, diz Beltrame

Secretário de Segurança afirma que drogas são vendidas em 'Londres e Paris' e que foco é combater domínio das facções

BBC Brasil, BBC

30 Novembro 2010 | 22h36

RIO - O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse nesta terça-feira que não tem a pretensão de acabar com o tráfico de drogas no Estado.  "Minha pretensão não é acabar com o tráfico: ele existe em Londres, em Paris. O que é inaceitável é a pessoa ser vigiada, é levar o filho na escola e ver um homem com um fuzil", afirmou Beltrame.

 

Veja também:

linkBope destrói casamata do tráfico e encontra bazuca

linkPM acha mais 2,5 t de maconha e incinera outras 40 t

linkBeltrame nega tiroteio no Morro da Fazendinha

linkDilma quer tropas no Rio até a Copa

linkBeltrame: CV está vulnerável com prejuízo de R$ 100 milhões

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video VÍDEO - 'UPP não tem futuro sem reforma na polícia'

especial CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

Nos holofotes desde a semana passada, quando começou a megaoperação policial no Rio, Beltrame respondia às perguntas de usuários do Twitter. Os participantes - cerca de 300 no auge da transmissão - enviavam as mensagens por escrito ao secretário. Uma assessora então as selecionava e as lia a Beltrame, que respondia ao vivo, transmitido por uma "twitcam".

A maior parte das mensagens parabenizava o secretário pelas operações, mas também houve perguntas críticas, como uma que questionava quais eram as garantias de que os traficantes expulsos das favelas não voltariam a se armar. "Não existe garantia. Ninguém vai assinar um cheque em branco. Mas não fazer (a operação) sob a alegação de que o traficante vai voltar é muito fácil. A gente apresentou uma solução concreta, e agora é outra realidade para manter isso", respondeu Beltrame.

Formação. O secretário afirmou que a ocupação de áreas ainda controladas por traficantes levará tempo. "Temos que ir por partes, formar policiais com outro perfil, de polícia comunitária, e aí entrar nas comunidades. Isso demanda tempo, não podemos fazer de forma atabalhoada." Segundo ele, o "Rio ficou muito tempo sem se preocupar com a polícia, com as academias sem nenhuma lógica para fazer concursos".

O secretário afirmou que a operação policial em curso no Estado, que resultou na ocupação do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro, tradicionais redutos de facções criminosas, aconteceu 14 meses antes do previsto. Segundo Beltrame, os planos foram antecipados porque as forças de segurança perceberam que grupos criminosos haviam se articulado para promover ataques por toda a cidade, em resposta à implantação de postos policiais em favelas anteriormente controladas por traficantes.

Beltrame também tratou das denúncias de abusos cometidos nas favelas recém-ocupadas - alguns moradores afirmam que tiveram o patrimônio danificado por policiais nas revistas.

Ele disse que as forças de segurança estão à procura de famílias que se queixaram das ações e que, se comprovadas as irregularidades, os policiais serão punidos e as famílias poderão ser ressarcidas. "Mas precisamos de denúncias sérias. Se só levantar a bola e não provar, vamos ficar no achismo, no denuncismo."

O secretário ainda afirmou que a polícia não tem condições de evitar que traficantes fujam para outros Estados. "Tem muita gente (criminosos) daqui que vai para o Nordeste, e temos que ir lá fazer as prisões, mas não temos condição de não permitir que vão para lá".

Forças Armadas. Nesta terça-feira, o governo do Rio formalizou um pedido ao Ministério da Defesa para que as Forças Armadas permaneçam atuando no Estado até outubro de 2011.

O presidente Lula aceitou o pedido, dizendo que os militares ficariam à disposição do Estado o tempo que fosse necessário para garantir a paz. O prazo de 11 meses, maior do que o previsto inicialmente, foi adotado "por precaução", segundo o governador Sérgio Cabral, que disse que o período será usado para formar policiais para atuar em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Complexo do Alemão e na favela de Vila Cruzeiro.

Na segunda-feira, Cabral havia dito que solicitaria a presença de pelo menos 2 mil militares para as operações de pacificação do Complexo do Alemão.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.