DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

'Não tinha nenhum santo', diz governador do AM sobre presos mortos

José Melo (Pros) destacou superlotação dos presídios e ressaltou dificuldade de gerir unidades

O Estado de S. Paulo

04 de janeiro de 2017 | 16h01

O governador do Estado do Amazonas, José Melo (Pros), disse em entrevista à Rádio CBN nesta quarta-feira, 4, que "não tinha nenhum santo" entre os 56 mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus. 

Questionado se concordava com a afirmação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que a maior parte dos mortos não tinha ligação com facções criminosas, José Melo disse: "Eu não sei. Não posso fazer nenhum comentário sobre o que o ministro falou. O que eu sei te dizer é que não tinha nenhum santo. Eram estupradores, eram matadores que estavam lá dentro do sistema penitenciário e pessoas ligadas a outra facção, que é minoria aqui no Estado do Amazonas e que foi objeto disso".

"Ontem, como uma medida de segurança nós retiramos todos esses ainda que restaram: estupradores, ligados a essa outra facção e os segregamos em outro presídio para evitar que continuasse acontecendo o pior", disse ainda o governador do Amazonas. 

O governador ainda destacou o problema da superlotação de prisões brasileiras como algo "comum a todos os Estados" e disse que com as penitenciárias superlotadas "é muito difícil fazer uma gestão adequada do ponto de vista administrativo".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.