"Não vou causar problema algum", diz Beira-mar

Isolado em uma cela sem banho de sol, televisão, rádio e visitas. Assim ficará o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, durante os próximos sete dias na penitenciária de segurança máxima de Presidente Bernardes.Beira-Mar chegou nesta quinta-feira de madrugada ao presídio que abriga os mais perigosos bandidos do Estado e onde o regime disciplinar é o mais duro do País.Algemado, ele foi levado pelos agentes penitenciários à sala do diretor da unidade, Antonio Sergio de Oliveira, que o recebeu pessoalmente. Ouviu em silêncio Oliveira explicar as normas que ele deve cumprir na prisão."Se você respeitá-la, não haverá problema", disse o diretor. Calmo, o traficante respondeu: "O senhor pode ficar tranqüilo, que eu não vou lhe causar nenhum problema."Em todo caso, logo que soube do acordo que permitiu a vinda de Beira-Mar, o secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa, tomou a precaução de pedir ao comandante-geral da Polícia Militar, Alberto Rodrigues, que o contingente da PM que guarda a prisão fosse reforçado - os policiais ficam na muralha e fazem a segurança externa do presídio.Após a conversa, o traficante carioca foi levado para a chamada cela de inclusão. Nela ficam os presos que chegam na penitenciária a fim de serem observados por uma semana - Beira-Mar é o 69º preso da unidade, que tem capacidade para abrigar 160.Durante esse tempo, o detento não recebe visitas nem sai para o banho de sol. "É o tempo de adaptação à prisão", disse o secretário-adjunto da Administração Penitenciária, José Rolim Neto.No fim de semana, Beira-Mar será levado para uma das 160 celas individuais. Ele ficará numa ala separada que abriga alguns dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa paulista aliada do Comando Vermelho, ao qual pertence o traficante carioca.Entre os chefões do PCC que estão em Bernardes há dois que conviveram com Beira-Mar em Bangu 1: José Márcio Felício, o Geleião, e Cesar Augusto Roris, o Cesinha. Nessa ala separada, Beira-Mar terá direito a tomar banho de sol diário de uma hora. Estará sempre sozinho no pátio - o mesmo sistema é feito com os chefes do PCC, enquanto os demais detentos tomam banho de sol em grupos de cinco homens.Antes de deixar a cela, o traficante deverá despir-se. Sua cela de 8 metros quadrados, com cama e banheiro, será revistada por dois agentes, assim como as roupas. Enquanto isso, ele deve aguardar ao lado da porta, vigiado por outros dois agentes, um deles com um cão pastor ou rottweiler. O cão e os quatro homens, cujo salário inicial é de R$ 1.200,00, vão acompanhá-lo durante o banho de sol.Nesta quinta-feira, Beira-Mar tomou o café da manhã e almoçou. A tarde foi calma em Bernardes. O governo comemora. "Será uma oportunidade para mostrar que aqui nós nos preparamos para enfrentar o crime organizado", disse Rolim Neto.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.