Naruhito participa de reunião com empresários e Aécio em BH

Por conta de atraso, princípe herdeiro do Japão não participou da cerimônia do chá prevista em sua agenda

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2008 | 17h03

Em uma passagem discreta por Belo Horizonte, o príncipe herdeiro do trono do Japão, Naruhito, de 48 anos, se reuniu nesta segunda-feira, 23, com empresários brasileiros e japoneses e com o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), no Palácio da Liberdade. Antes de deixar a capital mineira com destino ao Rio, o filho mais velho do imperador Akihito fez uma rápida visita ao Jardim Japonês, inaugurado recentemente no zoológico da cidade, onde foi homenageado com o plantio de uma árvore da espécie pau-brasil. Os dois compromissos do príncipe foram acompanhados por uma pequena e respeitosa platéia de japoneses e descendentes, além de jornalistas brasileiros e do país oriental.   Naruhito e sua comitiva chegaram à sede do governo mineiro com cerca de 15 minutos de atraso, por volta de 11h30. Ele foi recebido com tapete vermelho e honras militares dos Dragões da Inconfidência. Ao ser recepcionado por Aécio na entrada do palácio, voltou a quebrar o protocolo, estendendo a mão e cumprimentando o governador.   Em silêncio, cerca de 200 pessoas - entre japoneses e descendentes, que agitavam pequenas bandeiras do Japão e do Brasil - acompanharam a entrada do príncipe herdeiro. Pouco depois, o príncipe e o governador foram à sacada do palácio para saudar o pequeno público. No encontro fechado para a imprensa, Naruhito fez numa saudação lembrando que sua visita faz parte da comemoração do centenário da imigração japonesa no Brasil. Ele afirmou que a comunidade nipo-brasileira em Minas "está contribuindo significativamente para o desenvolvimento da sociedade brasileira em diversas áreas, incluindo a agricultura e mineração."   "Espero sinceramente que a relação de amizade e cooperação entre os nossos países, desenvolvida pelos esforços dos nikkeis que têm servido como elo de ligação entre os dois povos, tenha um grande avanço, através do Ano de Intercâmbio Japão-Brasil", discursou o príncipe. De acordo com o governo mineiro, o Estado abriga atualmente uma comunidade de aproximadamente 10 mil japoneses, que atuam em áreas diversas da economia. Os imigrantes chegaram a Minas em meados da década de 1920, atraídos pelo grande potencial agrícola do Estado.   Visita rápida   Após o almoço oferecido pelo governador - cujo cardápio incluía doces mineiros de sobremesa -, Naruhito fez uma rápida visita ao Jardim Japonês, no zoológico. Ele voltou apertar a mão de autoridades ao chegar. Em razão do atraso, permaneceu apenas sete minutos no local. Ao lado de Aécio e do prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), percorreu rapidamente o espaço, mas não participou da cerimônia do chá (chanoyu) como estava previsto. A cerimônia é marcada por um ritual de servir e beber o chá verde pulverizado.   O príncipe deixou o local sob o aplauso de cerca de 300 populares que acompanharam a visita, entre eles alunos de uma escola municipal do ensino fundamental. O diretor do zoológico, Carlyle Coelho, disse que Naruhito elogiou o jardim e as espécies de aves brasileiras. Ele também ficou impressionado com as rochas dispostas no local. Naruhito já havia deixado o zoológico quando o diretor anunciou que uma árvore da espécie pau-brasil seria plantada em sua homenagem. "Eles já tinham estipulado que seria uma visita bastante curta", justificou Coelho.   Ampliado às 18h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.