Nas cinco praças da região, lixo e mau cheiro

São cinco as praças à disposição da população que mora perto da Câmara Municipal, na região central de São Paulo. Só que, na prática, nenhuma pode ser utilizada, pois estão ocupadas por usuários de drogas e moradores de rua. O mau cheiro é insuportável. Um dos locais mais deteriorados fica justamente no mesmo terreno da Câmara: a Praça Paulo Kobayashi. Além do mato alto, uma quadra esportiva precária está repleta de lixo. Aproveitando o abandono, os criminosos vão para lá depois de efetuarem roubos nos semáforos da área. O local tem uma placa da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), contratada por R$ 891 mil para reformar a quadra. Mas a obra está parada há um ano, segundo moradores. A empresa garante que retomará o serviço hoje. Na Praça Miguel Emílio Abella só há ruínas do que um dia foram brinquedos para crianças. Hoje, o espaço é ocupado pelos beneficiados do sopão e sem-teto. Os brinquedos foram quebrados para serem vendidos como ferro-velho. O morador José de Souza, de 52 anos, diz que a mulher não desce para passear com o filho de 4, por medo. "Já tivemos mães que sofreram ameaças para entregar as bicicletas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.