Nas duas primeiras semanas, quase 1,8 mil pessoas procuram juizados

Abertos no último dia 23, órgãos têm em média 120 consultas por dia; Aeroporto de Cumbica, em SP, registrou maior número de queixas: 335

Julia Baptista, estadão.com.br

11 de agosto de 2010 | 14h10

SÃO PAULO - Nas duas primeiras semanas de funcionamento dos juizados especiais instalados nos cinco aeroportos de maior movimento no País, 1.794 pessoas procuraram atendimento  Em média, foram 120 atendimentos por dia nos aeroportos Antonio Carlos Jobim e Santos Dumont, no Rio de Janeiro; Congonhas e Guarulhos, em São Paulo; e Juscelino Kubitschek, em Brasília.

 

A maior parte dos passageiros - 61,5% - queria apenas informações. Das demandas, apenas 689 (38,4%) foram reclamações, das quais 319 - representando 46,3% do total - terminaram em acordo.

 

Desde que a medida entrou em vigor, em 23 de julho, o maior número de demandas ocorreu no aeroporto de Cumbica. Foram 636 atendimentos que resultaram em 335 reclamações. Desse total, 125 (37,3%) resultaram em acordo. Ainda em São Paulo, o aeroporto de Congonhas registrou 134 atendimentos. Nesse terminal, foram formalizadas 80 queixas, sendo que em menos de um terço (32,5%) foi possível o acordo entre as partes.

 

No Rio de Janeiro, o aeroporto internacional Antonio Carlos Jobim consolidou entre 23 de julho e 9 de agosto 325 atendimentos, que geraram 161 reclamações. Foram homologados 49 acordos. No Santos Dumont, foram 230 atendimentos e 63 passageiros registraram queixa. Na negociação com as empresas aéreas foram concretizados 11 acordos.

 

Em Brasília, 469 usuários procuraram o Juizado no aeroporto Juscelino Kubitschek. Foram formalizadas 169 reclamações das quais 108 não prosseguiram porque houve acordo.

Tudo o que sabemos sobre:
Juizados EspeciaisaeroportosJustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.