Nas federais, 700 bafômetros para fiscalizar lei seca

Todos os 9.600 agentes da Polícia Rodoviária participarão de blitze

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

20 Fevereiro 2009 | 00h00

No primeiro carnaval da lei seca, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) promete fiscalização rigorosa nas estradas, na tentativa de flagrar motoristas descumprindo a legislação. A PRF vai contar com 700 bafômetros durante o feriado, número que permite que todos os postos da corporação tenham o equipamento e ainda vão sobrar aproximadamente 300 para serem usados nas viaturas durante as blitze. A Operação Carnaval vai começar hoje e se estender até a próxima quarta-feira, dia 26. Todo o efetivo de 9,6 mil agentes vai atuar na fiscalização das estradas federais. Duas mil viaturas e seis helicópteros de resgate também vão participar. O objetivo é reduzir os números de violência no trânsito do feriado do ano passado, quando houve 2.396 acidentes, que provocaram a morte de 128 pessoas. A PRF também informou ontem que haverá nos dias de carnaval restrição ao tráfego de grandes veículos de carga, como os caminhões bitrens e cegonhas, mesmo se estiverem sem os produtos. Hoje e terça-feira, eles não poderão rodar entre 16 e 22 horas. Amanhã e na quarta-feira, a restrição será das 6 horas ao meio-dia. Nas estradas paulistas, cerca de 4 mil agentes da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) vão atuar na Operação Carnaval. Nos horários de maior fluxo, a PRE aumentará em 80% o número de agentes em relação a um dia normal. A fiscalização da lei seca será feita por meio de 82 bafômetros. E a fiscalização da PM será ainda mais rigorosa na capital. Como o Estado informou ontem, 153 bafômetros serão usados nas proximidades das áreas de desfile e nas rodovias, no retorno à capital. A Lei 11.705, em vigor desde junho do ano passado, prevê que com 2 decigramas de álcool por litro de sangue ou 0,1 miligrama por litro de ar expelido no bafômetro - o equivalente a dois chopes -, o motorista receberá multa de R$ 957,70, perderá a habilitação e terá o veículo apreendido. Caso seja flagrado com 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou 0,3 miligrama por litro de ar, responderá criminalmente, sujeito a pena de até 3 anos de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.