Daniel Guth/Aliança Bike
Daniel Guth/Aliança Bike

Nas ruas de Afuá, no Pará, não circulam carros nem motos

Noiva vai à igreja de bicitáxi e doente utiliza bicilância

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2019 | 03h00

Sentados com as pernas para fora, de pé, com as pernas abertas na “carona”: deslizam na rua de palafita duas, três, quatro pessoas amontoadas em uma só bicicleta. Por ali, em Afuá (PA), uma das poucas cidades brasileiras onde carros e motocicletas são proibidos, a noiva vai de bicitáxi para a Igreja, os irmãos maiores levam os menores na garupa, os pais colocam os filhos no “bagageiro”, o brigadista faz resgate do enfermo em uma maca adaptada para a “bicilância” - a ambulância da cidade. 

O município construído inteiramente em estruturas elevadas, onde as ruas de palafita estão a 1,20 metro de distância da superfície do rio, tem como principal meio de transporte a bicicleta - depois dos próprios pés, claro. Na cidade sobre as águas, 75% das viagens são feitas de bicicletas, triciclos e quadriciclos. Todos conduzidos por força humana, não motor.

Município paraense na Ilha do Marajó, Afuá é cortada por rios. Tem 38 mil habitantes e nenhuma estrada. A proibição de veículos motorizados é levada a sério pelos moradores, que até já colocaram na cadeia quem tentou andar de moto. 

Entre área rural e urbana, as ruas são os rios, e todos os trajetos são feitos de embarcações. Para chegar à cidade, a capital mais próxima é Macapá (AP), a cerca de três horas de barco. Ainda que existam 17 veículos motorizados hoje registrados em Afuá - na zona rural -, o tráfego de qualquer veículo com motor, inclusive elétrico, é dado pela população e pelos gestores como "terminantemente proibido".

Afuá é a "menina dos olhos" dos cicloativistas brasileiros, que, neste mês, lançam um livro sobre o perfil de ciclistas em municípios com menos de 100 mil habitantes. Em "O Brasil que pedala: a cultura da bicicleta nas cidades pequenas", pesquisadores visitaram 11 municípios para entender os hábitos dos ciclistas nesses locais. 

Na pesquisa de perfil, foram entrevistados 2.208 ciclistas. Mais de 1/3 (34,3%) começou a pedalar porque a bicicleta “é mais rápida e prática”. Para 27,3%, o motivo principal foi a economia deste meio de transporte. Para outros 22%, a principal razão foi a saúde.

Cotidiano

Na rotina da cidade, a limitação de veículos transformou o deslocamento dos serviços essenciais. A ambulância, por exemplo, é em cima de um quadriciclo montado, onde duas bicicletas são “grudadas” e uma maca leva o paciente. São duas “bicilâncias” na cidade. Uma é utilizada pelo hospital em casos mais complexos, no deslocamento dos pacientes da própria unidade de saúde para o porto, de onde sai a ambulancha para a rede hospitalar de Macapá (AP).

A outra fica na Brigada de Incêndio e é usada pelos brigadistas, que realizam entre 15 a 20 resgates em média por mês. A maioria dos atendimentos é para idosos com pressão alta, gestantes, pessoas picadas por animais peçonhentos (principalmente cobra) e vítimas de brigas com arma branca. Na bicilância, além da maca e do “mensageiro” - como é chamada a pessoa que pedala -, no máximo acompanha um equipamento de oxigênio. 

Mas nem sempre foi tão confortável assim. Antes, o paciente ia sentado. Foi necessário brigar para que a bicilância tivesse uma maca, regalia que só foi possível quatro anos atrás, graças ao criador do bicitáxi, Raimundo do Socorro Souza Gonçalves, de 51 anos, conhecido por Sarito Souza. Radialista, ele um dia em seu programa se queixou de um cidadão que foi resgatado de bicilância e estava visivelmente desconfortável sentado ao lado do “mensageiro”. “Critiquei no meu programa, o prefeito ouviu e me ligou. Em 30 dias, colocaram maca na bicilância”, conta ele.

A bicilância usada hoje só é possível graças à invenção, 25 anos atrás, do bicitáxi por Sarito. “Começou como uma brincadeira. Eu fiz um triciclo, coloquei um cargueiro atrás da bicicleta e comecei a carregar a família para passear. As pessoas gostaram e me pediam para levá-las para passear também. Fiquei uns 5 anos trabalhando com isso, dando o sustento da minha família com o bicitáxi. Brinco que já fui babá de muitos moradores de Afuá porque os pais, quando queriam ir beber, me pediam para levar os filhos para passear. Eles confiavam em mim, né? Colocava uma música de criança e ficava pedalando na cidade até as crianças dormirem.”

Na época, ele cobrava R$ 1 por passeio. Hoje o valor da corrida de bicitáxi é combinado com o cliente e varia entre R$ 5 e R$ 10, de acordo com a distância. “Em muitos lugares, a mãe diz assim: Meu filho, sai do meio da rua! Em Afuá, a mãe diz: Meu filho, saia de baixo da rua. Por causa do rio, né?”, diz Sarito, rindo. 

Há ainda, na cidade, o "quadriciclo do lixo", o triciclo carreto, e também os homens da manutenção de fiação elétrica, que carregam o material também em bicicletas ou triciclos. O prefeito Mazinho Salomão, por exemplo, vai trabalhar de triciclo.

Já a secretária de Saúde, Valéria Lacerda de Araújo, tem uma bicicleta. Se chove, diz ela, é só abrir a sombrinha e continuar pedalando. “Tem cidade que tem muita oficina de moto e carro. Em Afuá, o que mais se vê é oficina de bicicleta. Aqui o que os ladrões mais gostam não é celular, é bicicleta.”

“Aqui tem a vantagem que não tem acidente de trânsito, então não temos trauma. Às vezes uma criança ou um bêbado cai da ponte, ou uma bicicleta bate na outra. É besteira. O trânsito é bem intenso, mas as pessoas não se batem”, afirma Valéria. 

Pesquisa retrata cidades em que mais se pedala no Brasil

Em O Brasil que pedala: a cultura da bicicleta nas cidades pequenas, projeto que teve início em 2015, foram estudados – além de Afuá - os municípios de Tarauacá (AC), Antonina (PR), Cáceres (MT), Gurupi (TO), Pomerode (SC), Pedro Leopoldo (MG), Ilha Solteira (SP), Tamandaré (PE), São Fidélis (RJ) e Mambaí (GO) – dois de cada região do país. Organizado por André Soares, da União de Ciclistas do Brasil, e Daniel Guth, da Aliança Bike, o livro é a segunda produção da Parceria Editorial A Bicicleta no Brasil, composta pela Aliança Bike, Bicicleta para Todos, União de Ciclistas do Brasil e Bike Anjo. 

Pardos e negros somam 64,6% dos ciclistas nas cidades analisadas e brancos são 31,67%. Comparando com o Censo 2010, nestas cidades há três vezes mais autodeclarantes como negros entre os ciclistas do que em relação a toda a população. Tamandaré (PE), por exemplo, tem 20% de ciclistas autodeclarados negros, enquanto na cidade o índice é de 5,13%. 

Para chegar às 10 cidades analisadas, os pesquisadores realizaram uma consulta aberta. Lá, queriam saber: em quais cidades mais se usa bicicleta como meio de transporte? Após mais de 200 sugestões de município, os organizadores entraram em contato com 150. A escolha foi feita de acordo com o interesse demonstrado e a qualidade das respostas enviadas pelas prefeituras.

Em comum entre as cidades, está o uso intenso da bicicleta. Segundo Guth, uma das explicações é que esses são municípios adensados, com extensão inferior a seis quilômetros de área urbana. "Isso faz com que pedalar se torne um meio de transporte absolutamente acessível, tranquilo e fácil para percorrer as distâncias que a cidade tem", afirma.

O estudo também concluiu que questões geográficas e morfológicas não são variaveis que impedem o uso de bicicleta. Exemplo disso são os municípios de Pedro Leopoldo (MG) e Pomerode (SC), que, embora com geografia acentuada, possuem uso intenso do transporte. "As variáveis que tradicionalmente consideraria, por desconhecimento mesmo, como condicionantes ao uso da bicicleta, na verdade não são. Isso é uma questão que a pesquisa toda desmistifica, o fato de a morfologia não ser um inibidor por si".

Além da questão morfológica, outro senso comum que na opinião de Guth acabou sendo “desmistificada” na pesquisa foi o fator renda. Em geral, diz ele, há uma ideia de que bicicletas são mais utilizadas por quem tem renda baixa, na comparação com os mais abastados.

“Isso é verdade considerando a realidade das grandes cidades, mas isoladamente não é verdade nas cidades pequenas. Pomerode, por exemplo, é uma das cidades mais ricas do Brasil e ainda assim tem muito uso de bicicleta. Tarauacá, no Acre, uma das mais pobres, tem mais de 70% das viagens de bicicleta. As duas apresentam uso alto de bicicleta, o que mostra que apenas o fator renda não explica o porquê de uma cidade ter muito uso de bicicleta”, afirma.

Ainda segundo o pesquisador,  um dos pontos constatados foi que o crescimento da motorização nos últimos anos ameaça a cultura da bicicleta nesses municípios.

“Cidades pequenas que têm políticas públicas, infraestruturas cicloviárias, bicicletários e programas de incentivo ao uso de bicicleta apresentaram maior resiliência para o uso da bicicleta. Em todas as cidades, a motorização, especialmente de motocicletas, vem crescendo rapidamente. As cidades com mais políticas cicloviárias, principalmente ciclovias e ciclofaixas, apresentaram uma capacidade de resistir à motorização maior do que as outras”, explica. “Isso é um resultado interessante porque mostra que o poder público tem poder fundamental para que a cultura da bicicleta se mantenha viva nessas cidades.”

SERVIÇO

"O Brasil que pedala: a cultura da bicicleta nas cidades pequenas"

Valor: R$ 45 ; Venda: a partir de 4 de fevereiro nas livrarias Travessa e Livraria da Vila. Já disponível online: Editora Jaguatirica, Amazon e Livraria Travessa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.