Corpo de Bombeiros/Divulgação
Corpo de Bombeiros/Divulgação

Natal e região metropolitana registram mais uma madrugada de ataques

Criminosos incendiaram sete veículos em dois pontos diferentes da capital e houve fuga de ao menos 14 detentos; ônibus voltaram a circular nesta segunda

Monica Bernardes, Especial para o Estado

01 de agosto de 2016 | 09h58

RECIFE - A noite do domingo, 31, e a madrugada desta segunda-feira, 1º, foram marcadas por mais violência em Natal e na região metropolitana. Por volta da 1 hora, pelo menos 14 presos da fugiram do Centro de Detenção Provisória (CDP) da Ribeira, na zona leste da capital potiguar. Em uma nova onda de ataques, criminosos incendiaram dois veículos em uma área próxima ao Morro do Careca, um dos principais cartões postais da cidade. Também na Ribeira, bandidos incendiaram três motos e dois carros no anexo da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU).

Os vândalos ainda tentaram colocar fogo no Grupamento de Busca e Salvamento do Corpo dos Bombeiros, localizado no bairro de Lagoa Seca. Os bombeiros perceberam a ação e impediram o atentado. Os homens fugiram e deixaram um galão de gasolina para trás.

Por volta das 5 horas, parte da frota de ônibus começou a circular, sob a escolta de policiais militares. Segundo o sindicato das empresas de transporte, cerca de 50% da frota está nas ruas - a população continua prejudicada pela falta de coletivos.

Diversas escolas e estabelecimentos comerciais optaram por manter as portas fechadas durante esta segunda-feira.

Cerca de 1,2 mil homens das tropas federais (sendo 1 mil do Exército e 200 fuzileiros navais) devem começar a chegar à cidade - para atuar no reforço da segurança - a partir desta terça-feira, 2.

Até as 9h30 desta segunda-feira, o governo estadual confirmou a prisão de 60 pessoas por envolvimento nos ataques. O clima na cidade ainda é de apreensão entre moradores e turistas. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.