Naufrágio mata 11 no Amazonas

Suspeita é de que barco com 110 pessoas se chocou com balsa; desaparecidos podem chegar a 12

Liège Albuquerque, O Estadao de S.Paulo

22 de fevereiro de 2008 | 00h00

Pelo menos 11 pessoas, entre elas quatro crianças entre 5 e 8 anos, morreram em um naufrágio no Rio Amazonas, depois de o barco regional Almirante Monteiro, que levava cerca de 110 passageiros, ter supostamente se chocado com uma balsa na madrugada de ontem. De 8 a 12 pessoas podem estar desaparecidas. As buscas foram suspensas no início da noite por causa da chuva, da forte correnteza e da escuridão. Devem ser retomadas na manhã de hoje.A Capitania dos Portos do Amazonas calcula que os 92 sobreviventes tiveram de nadar 90 metros até a margem do rio, na comunidade Novo Remanso, município de Itacoatiara, a 170 quilômetros de barco de Manaus. Naquele trecho do rio, a profundidade é superior a 25 metros. Os sobreviventes relataram aos bombeiros que um barco da Polícia Civil que passava pelo local ajudou nos resgates, mas boa parte das pessoas conseguiu nadar até a margem. O barco tinha como destino a capital amazonense e vinha de Alenquer (PA). Segundo informações do coronel do Corpo de Bombeiros Antônio Dias dos Santos, o comandante do barco, Raimundo Loureiro, disse que estaria transportando 110 passageiros e teria capacidade para 165. "É um hábito comum dos barcos regionais sair da origem e ir pegando outros passageiros durante o trajeto até o destino, o que dificulta dizer exatamente quantas pessoas estavam a bordo e quantas estariam desaparecidas", explicou Santos. O comandante da embarcação disse ainda ao coronel ter partido de Alenquer com 70 passageiros e 12 tripulantes. Se os corpos forem de pessoas que embarcaram na origem, segundo o coronel, a identificação será facilitada pelo nome na lista.Os sobreviventes relataram que ouviram um barulho de colisão e que o barco não estava lotado. A balsa que pode ter provocado o acidente era empurrada por um outro barco, cujo comandante é suspeito de ser responsável pela colisão. Segundo testemunhas, ele fugiu sem prestar socorro. A embarcação Almirante Monteiro é inscrita na Capitania dos Portos para ser usada para transporte de passageiros e de carga. Na última inspeção, feita em dezembro, o estado geral do barco e dos coletes salva-vidas era bom, segundo a Capitania. A embarcação segue o modelo dos barcos regionais. Os passageiros optam por dormir em camarotes ou em redes no convés do barco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.