Navio Annapurna continua impedido de atracar

O navio russo Annapurna, que chegou aSantos, no último dia 8, para embarcar frutas frescas, continua retido na barra e não deve obter autorização do posto portuário daAnvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária para atracar nas próximas duas semanas, até que termine o prazo deencubação do vírus da hepatite A, que já infectou 7 dos 21 tribulantes da embarcação. Dois dos infectados ficaram no último dia25, em São Petesburgo, na Rússia, os demais, inclusive o comandante da embarcação, estão internados no Hospital SantaClara, da Beneficência Portuguesa da cidade. Segundo a chefe da vigilância sanitária e epidemiológica, do município, Carolona Osawa, o Annapurna não oferece perigo apopulação santista, já que a Anvisa tem um controle rigoroso, mas alerta "quando o navio atracar no cais, tudo o que sair deledeve ser desinfectado, como roupas e outros utensílios, já o lixo tem que ser separado e tratado como material hospitalar, ouseja, incinerado, para que não haja propagação da doença". Segundo Carolina Osawa, a Hepatite A é transmitida pela águacontaminada e por alimentos ou seus restos, por isso, o navio deve obter esse tratamento especial.Quanto ao esgoto, Carolina informa que, se receber tratamento de cloração adequada não oferece risco, "mesmo que poracidente fosse derramado no nosso Estuário".A chefe da vigilância sanitária, explica, ainda, que a Hepatite A causa, febre, diarréia, dores abdominais e, no estágio avançado,o doente apresenta cor amarelada, mas tem cura se tratada a tempo e adequadamente. Nas próximas semanas os técnicos da Anvisa vão colher amostras de sangue dos demais tripulantes e verificar se asirregularidades encontradas, como falta de cloração da água consumida pela tripulação e a deficiência na mini-estação detratamento de esgoto da embarcação já foram sanadas. O Instituto Adolfo Lutz, do município, está auxiliando a Agência nosexames das amostras da água e dos alimentos do Annapurna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.