Navio com lixo inglês parte hoje de Rio Grande

Embarcação fará escala em Santos para recolher restante da carga; chegada na Europa está prevista para o dia 21, em Felixstowe

Fernando Halal, O Estadao de S.Paulo

01 Agosto 2009 | 00h00

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, esteve ontem no Porto de Rio Grande, no sul do Rio Grande do Sul, para acompanhar o início da operação de embarque dos 40 contêineres com lixo importado do Reino Unido. O navio MSC Oriane, de bandeira panamenha, que levará os resíduos para o país de origem, atracou no cais pouco antes da chegada do ministro. A carga deve chegar em Felixstowe, na Inglaterra, no próximo dia 21.O lixo desembarcou no pátio do Terminal de Contêineres (Tecon) entre fevereiro e maio. "O Brasil não será a lata de lixo do planeta", declarou Minc, após uma reunião com integrantes da Receita Federal, Anvisa, Polícia Federal e os superintendentes do porto e do Ibama. "A empresa responsável importou algumas centenas de contêineres para o Brasil no ano passado, e estamos trabalhando em conjunto para detectar o conteúdo dessas cargas", explicou o ministro.Entre as medidas a serem adotadas pelo governo federal nos próximos meses estão o aumento da fiscalização e de recursos humanos, além de reforço em equipamentos como raios X e scanners de cargas. "Os países mais ricos, no entanto, também devem cuidar do seu quintal. Essa é uma lógica perversa que deve ser revista pela ONU e as convenções nacionais", completou Minc. "Transferiram para nós a fiscalização deles", concordou o diretor presidente do Tecon, Paulo Bertinetti, referindo-se aos importadores.Na próxima semana, o assunto será debatido em reuniões em Brasília com os ministérios do Meio Ambiente dos Estados Unidos (na terça-feira) e da Inglaterra (quinta-feira). As audiências estavam pré-agendadas para tratar de assuntos como a redução de emissões de poluentes e a defesa de florestas, mas devem ter a atenção roubada pela importação do lixo. Também serão definidos procedimentos para controle mais rigoroso e a detecção de eventuais quadrilhas envolvidas com a importação dos resíduos.O MSC Oriane começou a operar logo após a atracação. Vindo de Buenos Aires, o navio chegou a Rio Grande para operar outras cargas e está sendo aproveitado para a devolução das 740 toneladas de lixo. A embarcação deixa o porto no fim da manhã de hoje. A tripulação fará escala em Santos, litoral de São Paulo, para receber as demais cargas de lixo e levá-las para a Europa. A jornada será encerrada no porto de Felixstowe.Cinco empresas receberam multas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) de até R$ 408 mil pela chegada dos resíduos ao País. Outros 41 contêineres chegaram a Santos e oito no porto seco de Caxias do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.