Negada, de novo, liberdade a pichadora

O Tribunal de Justiça de São Paulo negou ontem, pela segunda vez, habeas corpus pedido pelos advogados de Caroline Pivetta da Mota, presa em 26 de outubro após pichar uma parede da Bienal. O relator desse segundo pedido, Fernando Matallo, recorreu a questões técnicas para negar a liminar. Segundo Matallo, não cabe a ele analisar detalhes do processo para dar ou não a liminar. Estudante de ensino médio, ela pichou propositalmente o andar vazio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.