Negado novo pedido para suspender júri de Pimenta Neves

O juiz Diego Ferreira Mendes negou mais um pedido da defesa do jornalista Pimenta Neves de suspender seu julgamento, marcado para a próxima quarta-feira, 3 de maio. A advogada Ilana Muller alega que não teve acesso às cópias das fitas anexadas aos autos sobre a repercussão do caso na mídia e que isso prejudicaria o julgamento. O juiz não atendeu ao pedido e esclareceu que as cópias sempre estiveram à disposição da defesa no cartório criminal. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 27.Pimenta Neves é réu confesso do assassinato da sua ex-namorada, a também jornalista Sandra Gomide. Ele é acusado de homicídio duplamente qualificado - motivação torpe e uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Se condenado, Pimenta pode pegar 15 anos de prisão.A assistência de acusação, representada pelo advogado Sergei Cobra Arbex, comemorou a decisão. "Acreditamos na condenação do réu, porque há elementos suficientes que comprovam a autoria e o motivo torpe do crime. Pimenta é réu confesso e tinha o sentimento de posse sobre Sandra Gomide. Isso é muito claro nos autos." Ilana Muller foi procurada pela reportagem, mas não quis se manifestar.JúriTambém nesta quinta, a defesa do jornalista entrou com pedido no Tribunal do Júri de Ibiúna para que a imprensa não filme ou fotografe o acusado durante o julgamento. A intenção da defesa é a de preservar a imagem do réu. O juiz Diego Ferreira Mendes acolheu o pedido.Mais de 200 pessoas já assinaram uma lista para disputar as vagas destinadas ao público, no salão do júri do Fórum de Ibiúna. Dos 40 lugares, 18 foram reservados para a imprensa. O sorteio das 22 cadeiras remanescentes será feito na véspera do início do julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.