Negromonte dá impulso ao ''PAC Glorense'' da Bahia

Ministro é o benfeitor de Glória, pequena cidade administrada por sua mulher

Vannildo Mendes, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2011 | 00h00

O carinho do ministro Mário Negromonte (Cidades) pela pequena Glória, cidade de 14 mil habitantes no norte da Bahia, não começou agora. Desde que sua mulher, Ena Vilma, assumiu a prefeitura do município, em 2009, ele resolveu fazer o possível para colocar a cidade de uma vez no mapa. Desde então, Glória vem bombando.

Para dar uma forcinha à mulher recém entronada, o então deputado Negromonte (PP) aprovou uma emenda de sua autoria em 2008 no valor de R$ 1.350.000, dinheiro que permitiu a aquisição de retroescavadeira, patrol, caminhões basculantes e outros equipamentos para uma espécie de "PAC Glorense".

Já nomeado ministro, em janeiro deste ano, Negromonte participou da entrega dos equipamentos em carreata juntamente com a mulher e o filho, Mário Júnior, eleito deputado estadual (PP). Como rei do pedaço, ele prometeu mais benefícios à cidade, o que de fato vinha cumprindo até agosto, quando entrou na mira da faxina desencadeada pelo Palácio do Planalto. O vídeo do evento mostra a prefeita, num momento de grande entusiasmo, agradecendo "o empenho do ministro em suas ações voltadas para Glória". Ela disse ter "a mais absoluta certeza de que essa será a tônica tanto do ministro Negromonte quanto do deputado Mário Júnior".

Antes de o marido entrar na linha de tiro, a prefeita vinha sendo bafejada por recursos do orçamento federal e estadual. Só nos últimos dois meses, foram carreados R$ 2 milhões. Parte veio da caneta do maridão - R$ 975 mil tirados do Fundo Nacional de Segurança e Educação no Trânsito. A outra fatia, também de R$ 975 mil, veio do Ministério do Turismo. Outros R$ 160 mil chegaram em julho para elaboração do plano diretor da cidade. Negromonte informou que usou de forma legítima os recursos de sua cota parlamentar para beneficiar a região que representa. Ele negou ter privilegiado o município da mulher em detrimento de outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.