Nem sinal dos programas

Em 27/8 tive a infeliz idéia de fazer uma assinatura da TV Digital da Telefônica. Deparei-me com falhas constantes de sinal e falta de padronização dos serviços prestados. Ora a assinatura dava direito a acesso ao canal x, ora eu era avisado de que não tinha acesso a tal canal. Tive problemas técnicos, mas o pior é que eu pagava por um ponto adicional, que, em tese, me daria o direito de assistir aos jogos do Brasileirão. Ledo engano, pois poucas vezes esse ponto estava sem problemas técnicos (geralmente, sem imagem) e, quando tinha imagem e queria assistir aos jogos que estava pagando, aparecia na tela: "Seu cartão não dá acesso a este canal." Em 45 dias consegui uma única e extraordinária vez assistir a um jogo! Relatar o tempo que perdi ao telefone reclamando, solicitando reparos e, por fim, cancelando a assinatura daria outra história! O modo como a Telefônica trata os clientes é lamentável! Agora, em razão da quebra de fidelidade, a Telefônica quer me cobrar mais de R$ 600 pelo cancelamento da assinatura. Por que será que fiquei só 45 dias com a TV Digital da Telefônica? Pelo excelente serviço prestado é que não foi. Acho abusivo e sem propósito pagar por fidelidade de um serviço que nunca funcionou! Eu é que deveria ser ressarcido!ADILSON ALENCAR MARQUES GuaratinguetáA Assessoria de Imprensa da Telefônica alega que atendeu à solicitação do leitor, sem ônus financeiro para o cliente. O leitor contesta: A Telefônica, realmente, entrou em contato comigo, mas não resolveu nenhuma das pendências. Tanto que recebi a fatura com a cobrança de R$ 654,71, o que considero inconcebível!Obra perigosaDenuncio as irregularidades da construtora Pedra Forte em obra da Rua Francisco Leitão, número 666, em Pinheiros. A construção, por insuficiência de telas, andaimes ou outro tipo de proteção, põe em risco pedestres, carros e moradores dos prédios vizinhos. Caem pedaços de concreto e de objetos pesados de metal, que têm danificado as paredes e o piso do edifício de número 640, na mesma rua, onde sou síndico. E como se não bastasse, a obra tem criado ao seu redor uma condição de desmazelo e sujeira que se estende pelas calçadas e pela pavimentação da rua, gerando transtornos de graves proporções a todos os que passam pelo local. Os responsáveis pela obra foram procurados por diversas vezes, para que tomassem as providências. Essas tentativas, quando não foram ignoradas pela empresa, foram tratadas com desdém. Até a polícia chegou a ser chamada para que se tentasse conter a ação predatória da construtora. Diante da gravidade da situação, encomendei a elaboração de laudo técnico, que comprovou todos esses problemas e apontou as várias irregularidades de que temos sido vítimas. O documento foi encaminhado à Subprefeitura de Pinheiros com o pedido de vistoria. J. S. FAROSão PauloA assessora de imprensa da Pedra Forte, Regina Tochio, informou que a obra está provida de todos os equipamentos de proteção e segurança necessários, de acordo com a ABNT e as leis municipais. A empresa, após denúncia de leitor à Subprefeitura de Pinheiros, tem sido procurada quase semanalmente para atender às orientações e apresentar laudos e documentos. Quanto à polícia, não foi constatada nenhuma irregularidade na obra. Sobre o suposto prejuízo à circulação, se fosse verdade, diz, não teria sido renovado o contrato com a CET, em 11/11. O subprefeito de Pinheiros, Nilton Nachle, informou que a obra em questão tem licença da Prefeitura. E em vistoria no dia 5/11, apesar de não se ter constatado reserva de vagas na rua, a obra foi intimada e multada por apresentar telas de proteção em número insuficiente. O engenheiro responsável foi orientado quanto aos procedimentos necessários para que a obra prossiga em segurança.O leitor contesta: Agradeço a atenção e as providências que a Subprefeitura tomou, mas, infelizmente, tudo continua do mesmo jeito.Eficiência comprovadaGeralmente, damos ênfase àquilo que nos desagrada, valendo-nos desta Coluna para reclamar dos fatos que nos prejudicam. Mas eu gostaria que fosse divulgada inusitada experiência que tive. Necessitando de plantas de um imóvel construído em 1949, imaginando a dificuldade e o tempo que perderia, fui surpreendido pelo primoroso atendimento do funcionário Maurício Antonio Gaspar, que localizou e me forneceu os documentos requeridos rapidamente. Ante meu espanto, disse-me que, ao contrário do que muita gente supõe, a Prefeitura funciona. Parabéns ao zeloso funcionário, cujo excelente desempenho atesta a boa administração da Prefeitura.FAUSTO RODRIGUES CHAVESSão Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.