Nenhum outro dia do ano bate o ''rush aéreo'' de hoje

Domingo de Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1 tem a 2.ª maior movimentação de helicópteros do mundo

Bruno Tavares e Rodrigo Brancatelli, O Estadao de S.Paulo

01 de novembro de 2008 | 00h00

Comandante Ferrari já entrega logo no sobrenome sua escuderia favorita da Fórmula 1. "Pô, não dá pra ser diferente, né? Desde o nascimento, sempre fui fã da marca do cavalinho", brinca. Ainda assim, Wanderley Ferrari, de 31 anos, piloto de helicóptero com 8 anos de experiência e 5 mil horas de vôo, nem viu quem ganhou o GP do Brasil no ano passado. Nem o retrasado. Aliás, faz tempo que ele não consegue assistir à corrida - seu sobrenome, no final das contas, também tem relação com o árduo trabalho. Um dos 64 pilotos cadastrados para pousar no autódromo, Ferrari trabalha ininterruptamente nos domingos de corrida para levar empresários, turistas e até funcionários da escuderia italiana para Interlagos."Não dá nem para saber quem ganha a corrida porque a gente fica no ritmo frenético de pousos e decolagens", diz ele, que há quatro anos trabalha no GP de São Paulo a bordo de um helicóptero Esquilo. O expediente de Ferrari hoje começa às 7 horas, quando pega o primeiro passageiro com destino ao autódromo, e termina só às 19 horas. "Dá-lhe Red Bull", entrega. Só há uma brechinha para descanso durante a corrida, quando o espaço aéreo nos arredores de Interlagos é restringido e ninguém pode passar por ali com aeronaves. "Só que mal dá para ver a disputa, porque é o único horário que temos para almoçar, descansar, esticar as pernas. Mal o vencedor cruza a linha de chegada e já temos de estar a postos para levar o pessoal de volta", observa.A rotina puxada dos pilotos de helicóptero que trabalham para a Fórmula 1 aparece até no Guinness, o livro dos recordes. O domingo paulistano de corrida tem a segunda maior movimentação de helicópteros do mundo, ficando atrás apenas das operações durante a corrida de Silverstone, na Inglaterra (e, de acordo com os organizadores, São Paulo perde "por pouco, muito pouco"). São 600 operações de pousos e decolagens realizadas em Interlagos nos quatro dias de Grande Prêmio (quinta, sexta, sábado e domingo), com um total de 800 pessoas transportadas até o autódromo.Para dar conta da demanda, uma torre de controle para coordenação do tráfego de helicópteros é montada especialmente no autódromo para monitorar os pousos e decolagens. A estrutura tem 12 metros de altura e fica ao centro de uma área de controle de vôo de 4 quilômetros de raio, na região do Kartódromo de Interlagos. A supervisão se dá em duas freqüências, uma para o piloto que chega e outra para aquele que deixa Interlagos. A torre de controle é totalmente desmontada já na noite de hoje - para orientar os pilotos cadastrados, um seminário foi montado na noite de quarta-feira para ensinar os códigos de comunicação e discutir diversas normas de segurança. "O movimento é tão grande que, apesar dos trajetos de helicóptero durarem cinco minutos, já fiquei 30 minutos orbitando Interlagos para conseguir pousar", diz Nestor Beltrame, chefe dos pilotos da empresa HeliSolution, há cinco anos trabalhando nos domingos de Fórmula 1. "A gente nem tem tempo de conversar com os passageiros, de tão rápido que é o percurso", completa Ferrari. "Uma vez levei o Zezé di Camargo e o Luciano para o autódromo, mas de resto eu nem consigo descobrir se o cara é empresário ou mecânico. A gente realmente funciona como táxi aéreo, vai de um lado para o outro sem parar."A operação dos helicópteros em Interlagos é controlada há 18 anos por uma única empresa, que coordena todos os pousos e decolagens. O pacote com ida e volta de helicóptero para o Autódromo de Interlagos custa de R$ 1.900 a R$ 3 mil. "Apesar de todo o movimento, a segurança é até maior, porque tudo é fiscalizado antes, há reuniões com os pilotos e as aeronaves passam todas por vistorias", diz Beltrame. "Antes fosse assim todo dia, com tanto cuidado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.