Netinho teme ser alvo e desiste de participar

Candidato do PC do B, que vem ganhando terreno nas pesquisas, enviou anteontem carta à emissora alegando 'mudança de formato'

Roberto Almeida, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2010 | 00h00

Autodeclarado "alvo" dos adversários na disputa pelo Senado e em ascensão nas pesquisas, o cantor Netinho de Paula, candidato pelo PC do B, desistiu de participar do debate Estadão/TV Gazeta de ontem sob alegação de "mudança de formato".

O cantor afirmou, em carta enviada anteontem à emissora, que com a ausência do candidato do PTB, Romeu Tuma, internado, e a desistência de Orestes Quércia (PMDB) para tratamento de um câncer, o debate deixou de ter os moldes pactuados entre os coordenadores de campanha.

"Netinho tem passado por muitas entrevistas, sabatinas, onde dá para expor o pensamento, as ideias, as propostas. Mas nem sempre um debate é a melhor forma de esclarecer opiniões", argumentou a presidente do PC do B paulista, Nádia Campeão.

Na última pesquisa Ibope, o cantor atingiu 33% das intenções de voto e está tecnicamente empatado em primeiro lugar com a candidata do PT, Marta Suplicy, que tem 36%. Na avaliação de coordenadores de campanha, o crescimento de Netinho e a saída de Quércia - que deixa um espólio de cerca de 20% do eleitorado - tornam inevitável um acirramento da disputa pelo Senado.

Na última semana, o cantor tornou-se alvo subliminar da campanha do tucano Aloysio Nunes Ferreira, hoje com 16% das intenções de voto, segundo a última sondagem Ibope. Sem citar o nome de Netinho, Aloysio afirma na TV que "quem bate em mulher é covarde". E promete empenho em defender a Lei Maria da Penha.

É, no entanto, uma clara referência a um período delicado da biografia de Netinho, acusado em 2005 de agredir sua ex-mulher, a decoradora Sandra Mendes de Figueiredo Crunfli.

"Outras legendas estão fazendo ataques diretos e de forma desqualificada. Tudo para criar um ambiente negativo para a candidatura de Netinho", afirmou a dirigente do PC do B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.