''Ninguém vem dizer o que vai acontecer'', afirma desalojada

Em abrigo de Esperantina (PI), flagelados bebem água salobra e dizem não ter apoio de assistente social

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

07 de maio de 2009 | 00h00

A água salobra e de cor turva usada para o banho é a mesma que vai ser usada para ferver o pouco feijão que resta e também para matar a sede. "Se para tomar banho ela já faz a pele coçar, imagina para beber", lamenta Maria Ciça Alves, de 20 anos, que há oito dias mora num abrigo montado pela prefeitura de Esperantina, junto com o marido e três filhas pequenas. Ela e outras 14 famílias que moravam no bairro Pedreira, tiveram de deixar suas casas - arrastadas completamente pelas águas do Rio Longa.Junto com as tralhas que sobraram do teatro desativado, estão amontoados os bens que foram salvos das famílias, dividindo espaço com dezenas de crianças - as únicas que ainda conseguem se divertir em meio a tanta tragédia -, cães, galinhas e até um porco."Desde que viemos para cá, faz oito dias, não vimos a cara do prefeito. Ninguém vem dizer para gente o que vai acontecer e nem ver como estamos", reclama Maria dos Milagres, de 31 anos, que está no abrigo com o marido e dois filhos pequenos.Falta tudo no abrigo. "Estamos quase sem comida, até agora não veio nenhum produto de limpeza nem remédio. Chegaram só alguns colchões, mas também um por pessoa", relata. No local, não havia assistente social nem alguém responsável pelos trabalhos de atenção aos desabrigados."Depois que tudo acabar, Deus dá um jeito. A gente vai juntar um dinheiro, erguer uma nova casinha e continuar a vida", diz Maria Ciça, conformada com tanta desgraça. "A gente perde o que tem, mas o que podemos fazer?"Enfermeiros e médicos de outras cidades estão ajudando no auxílio às famílias, mas falta condições de atendimento e remédios. A enfermeira Josélia Lustosa, que trabalha na cidade vizinha de Batalha, disse que o quadro em Esperantina é um dos mais graves. "As crianças começaram a ter problemas de diarreia, muito problema respiratório, fora as micoses", relata.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.