Nissei procurado por roubo de carros se suicida por honra

Num ritual quase parecido ao do Harakiri, o nissei Willians Yuzo Nishikata, 29 anos, cometeu o suicídio por sentir que desonrou a família após ser procurado pela polícia sob a acusação de roubo de veículos. Ele não se matou cortando a barriga com uma espada, como os samurais japoneses, mas com um tiro no peito. Na carteira dele foram apreendidos seis bilhetes com desculpas à família.A equipe do delegado Edison Santi, da 2ª Delegacia do Departamento de Investigações sobre Crime Organizado (Deic) chegou ao nome de Nishikata ao apurar o roubo de um Astra, com placa de São Paulo. A dona do veículo foi assaltada em 10 de janeiro e lutou com um dos ladrões. Antes da fuga, o assaltante deixou cair o telefone celular com sua fotografia na tela do aparelho e cadastro no próprio nome.O assaltante foi identificado como Ézio dos Santos, de 20 anos. Ele foi localizado e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Levado à sede do Deic, na Avenida Zaki Narchi, no Carandiru, na zona norte, ele confessou a participação no crime. Santos também contou à equipe de Santi que havia agido em companhia de Nishikata. Segundo ele, o nissei, dono de um estacionamento na Vila Matilde, na zona leste, usou uma caminhonete Corsa no dia do crime.Os policiais fizeram diligências na tentativa de prender Nishikata, mas não o encontraram. Ele também teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. O nissei ficou desesperado quando soube que era procurado por roubo. A dona do Astra o reconheceu em foto. Além disso, a polícia apurou que outra vítima que teve o carro roubado também havia sido abordada por dois homens. Um dos assaltantes era oriental.Nishikata agiu como os samurais japoneses que cometem suicídio quando perdem a honra. Ele se matou com tiro no peito, às 7 horas do último dia 19. O corpo foi encontrado por policiais militares em uma rua de Perdizes, na zona oeste.Os bilhetes com pedidos de desculpa à família estavam na carteira. Um era destinado ao pai, Yoshihiko Nishikata. A mensagem dizia: "Pai, obrigado por tudo. Nunca se culpe pelos meus erros. O senhor é e sempre vai ser o meu melhor amigo. Não fique chateado comigo. Me considero abençoado por ser seu filho. Um abraço de seu filho Will."Nishikata e Santos roubaram pelo menos quatro veículos na região da Aclimação e tinham mulheres como vítimas. O nissei trabalhou três anos no Japão; com o dinheiro, montou um estacionamento em sociedade com uma tia.

Agencia Estado,

22 de março de 2007 | 10h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.