Nível das águas do Rio Acre diminui, mas enchente continua

O nível das águas do rio Acre começa a baixar desde o início da enchente, no dia 11 de fevereiro. O nível baixou de 16,72 metros para 16,58 metros. Mas, o drama não diminuiu. São mais de 33 mil pessoas atingidas e mais de seis mil crianças sem aulas, pois 44 escolas se tornaram abrigos, além dos serviços públicos estarem praticamente paralisados. Todo o esforço dos servidores públicos municipais ou estaduais está concentrado no auxílio aos desabrigados. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil contabiliza 948 famílias distribuídas pelos abrigos e outras 1007 que foram removidas para casas de parentes ou amigos. Não bastasse ter as casas alagadas, algumas famílias que se retiraram vão notar no retorno que foram assaltadas durante a ausência. Segundo o delegado Walter Prado, diretor-geral da Polícia Civil do Acre, várias casas foram saqueadas por ladrões que, na falta de objetos de valor, furtaram portas, janelas e até telhas. Para combater este crime, Prado montou uma operação conjunta com o Pelotão Ambiental da PM para patrulhar os bairros em barcos motorizados. As embarcações são o único meio de locomoção nas áreas alagadas. No bairro do Taquari, completamente alagado, a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil contabilizou 68 barcos. O tráfego é tão intenso que o Corpo de Bombeiros já registrou o alagamento de quatro canoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.