Nível de represas em SP sobe com chuva

As chuvas de domingo e da manhã desta segunda-feira melhoraram os níveis das represas dos Sistemas Cantareira, Guarapiranga e Alto Cotia, mas não foram suficientes para afastar a preocupação com o nível de armazenamento de água desses mananciais.A avaliação é da assessoria de Comunicação da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Entre 17 horas de domingo e 7 horas desta segunda, a Sabesp registrou 26,2 milímetros de chuva na região de Cantareira. Esse volume corresponde a um quarto da média histórica de abril, que é de 104,1 milímetros no manancial. O nível do sistema subiu de 39,5% em relação à capacidade máxima, na sexta-feira, para 40,3% hoje. Há um ano, era 68,7%. Falta muito para cobrir o déficit de chuva na região de Cantareira. De outubro de 2000 a fevereiro de 2001, esse déficit foi de 169 milímetros. Cantareira, com 32 metros cúbicos de água por segundo, é o maior sistema de abastecimento da região metropolitana de São Paulo e distribui água para 9 milhões de pessoas da capital e de outros municípios da Grande São Paulo.O Sistema Guarapiranga foi o que registrou maior elevação no nível de armazenamento de água nos últimos dias. Em 26 de fevereiro, o nível da represa era de 53,8%, tendo subido para 59,7% na sexta-feira. Hoje, estava em 61,4%. Com isso, o reservatório aproxima-se dos 64,2% registrados há um ano. Mas esse dado também não afasta a preocupação da Sabesp. Basta lembrar que, entre junho e setembro de 2000, cerca de 3 milhões de moradores de São Paulo, abastecidos por Guarapiranga, tiveram racionamento. A Sabesp registrou 36,6 milímetros de chuva em Guarapiranga, entre domingo e esta segunda. Esse volume é praticamente a metade da média histórica de 73 milímetros em abril na região do reservatório. A Represa Pedro Beicht, do Alto Cotia, tem 29,6% da capacidade, ante 40,8% registrados há um ano. A Sabesp anunciou o início do racionamento para 17 de abril na área abastecida por essa represa: Embu, Embu-Guaçu, Cotia e Itapecerica da Serra.O acumulado de chuva em março ficou abaixo da média histórica do mês nos três sistemas. Na região de Cantareira, por exemplo, choveu 163,4 milímetros, ante a média de 197,2. Choveu 40 milímetros a menos, em março, na estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), no Mirante de Santana, na zona norte da capital. A média de chuva para o mês é de 179 milímetros, e os pluviômetros do Inmet registraram 139 milímetros.De acordo com o Inmet, choveu 107 milímetros a menos em janeiro e 60 milímetros a mais em fevereiro. O índice normal em janeiro é de 251 milímetros e, em fevereiro, 230 milímetros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.