No 1º turno, aliados de Serra tiveram mais apoio do PV do que governistas

Os verdes fizeram aliança formal com PSDB, DEM ou PPS em 7 Estados e apoiaram coligados com Dilma em outros 5

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2010 | 00h00

Na disputa pelo apoio dos eleitores da candidata do PV, Marina Silva, o tucano José Serra conta com a vantagem de sua coligação ter fechado mais acordos políticos regionais com os verdes no primeiro turno do que os de sua adversária, a petista Dilma Rousseff.

No primeiro turno da campanha, os verdes tiveram aliança formal com PSDB, DEM ou PPS em sete Estados: Amazonas, Amapá, Rio de Janeiro, Paraíba, Rondônia, Sergipe e Tocantins.

Do outro lado, o PV apoiou diretamente aliados de Dilma em cinco Estados: Acre, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Pará.

Nas outras 15 unidades federativas, o partido lançou candidatura própria independente ou ficou neutro, sem apoiar nenhum dos parceiros diretos dos dois candidatos.

Além de ter fechado mais coligações formais com os verdes, Serra leva outra vantagem na briga pelos votos dados a Marina. Nos três maiores colégios eleitorais do Brasil, o PV já tem uma sintonia política bastante grande com o PSDB, o que poderá influenciar a decisão do partido.

Em São Paulo, o PV lançou Fábio Feldman ao governo local, mas a parceria com o PSDB e DEM já funciona na prefeitura da capital, onde Eduardo Jorge, do PV, ocupa a secretaria do Verde e do Meio Ambiente.

Em Minas Gerais, Marina também teve palanque próprio com o lançamento do candidato de José Fernando Aparecido. Mas sua candidatura foi confirmada apenas para reforçar a campanha local do partido e ajudar os deputados. Depois do primeiro turno, já houve a reaproximação dos dirigentes locais do PV com o ex-governador tucano Aécio Neves e com o governador reeleito Antônio Anastasia.

No Rio de Janeiro, a situação pró-Serra é mais clara. O PV coligou-se oficialmente com o PSDB no Estado e ocupou a cabeça de chapa com Fernando Gabeira.

Mesmo terminando em segundo lugar e sendo derrotada já no primeiro turno pelo governador Sérgio Cabral (PMDB), a candidatura de Gabeira foi a mais forte campanha majoritária bancada pelo PV e recebeu apoio direto de Serra e dos tucanos, que ocuparam a vaga de vice-governador na chapa com o ex-deputado Márcio Fortes. Independentemente da decisão que o comando nacional do PV venha a tomar sobre o apoio oficial a algum candidato, Gabeira já anunciou que estará com Serra no 2º turno.

Pró-Dilma. Para Dilma, existem também alguns trunfos regionais importantes. No Acre, Estado de Marina, o PV é aliado direto do PT e ajudou a eleger o senador Tião Viana (PT) como novo governador e seu irmão, o ex-governador Jorge Viana (PT), para o Senado. Os dois vão pedir votos para Dilma no segundo turno e tentarão convencer Marina a ficar ao lado da petista ou pelo menos se manter neutra.

Em outro diretório importante, o do Maranhão, o PV faz parte do clã Sarney. O deputado Sarney Filho (PV) é o principal líder local do partido e também já está afinado com a candidatura de Dilma Rousseff no segundo turno da eleição presidencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.