No Aliás Debate, especialistas afirmam que é possível derrotar o crime organizado

No segundo encontro da série Aliás Debate, que acontece na tarde desta segunda-feira, 14, no auditório do Grupo Estado, os participantes falaram sobre a nova ofensiva do crime organizado que neste final de semana teve como alvo a imprensa e também afirmaram que é possível derrotar o crime organizado.Participam das discussões sobre segurança e violência Alba Zaluar, professora da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e pesquisadora de violência urbana; o advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, ex-secretário de Justiça e presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária; o pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da Universidade de São Paulo (USP) e também integrante do Instituto São Paulo, Paulo de Mesquita Neto e também o procurador-geral de Justiça, Rodrigo Rebello Pinto. De acordo com informações da reportagem da Rádio Eldorado, que acompanha o debate, todos os especialistas foram unânimes ao dizer que é possível derrotar o crime organizado. Para isso, segundo eles, é necessária a integração das polícias Militar e Civil, o Ministério Público e as receitas Estadual e Federal. Além disso, outra solução apontada pelos convidados é o investimento na área social para que as desigualdades diminuam e, conseqüentemente, os jovens escolham outro caminho que não seja o crime organizado ou qualquer outro tipo de crime. O sistema prisional é o principal alvo dos especialistas que alertam para importância que se dá para a grande quantidade, em detrimento da qualidade do sistema prisional. Na avaliação dos estudiosos, de nada adianta aumentar a quantidade de presídios se o papel de ressocializar os criminosos não é cumprido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.