No camarote, a vez das ''''semicelebridades''''

Ex-integrantes do Big Brother e atores do segundo escalão deram o tom

O Estadao de S.Paulo

03 de fevereiro de 2008 | 00h00

"Você viu, a Flávia Alessandra vai vir especialmente para o carnaval de São Paulo!""É verdade, fiquei sabendo que a dona Alzira da novela das 8 vai pegar R$ 150 mil para trocar o carnaval do Rio pelo de São Paulo.""Falaram por aí que os ingressos para o camarote do Bar Brahma no Sambódromo estão praticamente acabando por causa da presença da Flávia Alessandra."E assim a história vai, um pequeno boato aqui, uma noticiazinha plantada por um assessor acolá... Tudo para criar um glamour maior em volta dos camarotes VIPs do carnaval de São Paulo, que nunca foram lá muito relevantes. A tática não deu muito resultado. Flávia Alessandra, óbvio, não deu as caras. Muito menos chegou a ser convidada pela organização do camarote do Bar Brahma, o principal do Sambódromo.Mesmo as "celebridades confirmadas" pela Assessoria de Imprensa do evento em diversos e-mails enviados durante a semana simplesmente furaram, como Nicete Bruno, Núbia Oliver, Adriana Alves, Ellen Roche, Ellen Ganzarolli e Rodrigo Veronese. O que sobrou foi o camarote paulistano de sempre: empresários que deixaram as mulheres em casa e foram para a farra, ex-BBBs com seus novos projetos para divulgar, muitas garotas doidas por flashes, outras tantas doidas pelos empresários que deixaram suas mulheres em casa e alguma estrelas do segundo escalão.Contratada para dar o ar da graça no lounge da Häagen-Dazs dentro do camarote do Bar Brahma, Adriane Galisteu ficou apenas uma hora no local. Posou para fotos e não deu uma única entrevista. "Está tudo muito bonito", disse outro contratado, o ator Paulo Vilhena. De resto, os destaques do lounge foram figuras como Renata Banhara, Drica Lopes, Cuca Lazzarotto, Carolline Honório (a Carol do BBB7), Jaqueline Khury (a Jaque do BBB8), Ricardo Macchi (lembra? O Cigano Igor!) e Angela Bismarck. A atriz Márcia Imperator, mais conhecida pela sua filmografia pornô, também foi, mas acabou sendo expulsa por uma assessora. Em muitos momentos, haviam mais jornalistas no camarote que famosos. O ponto "alto" da noite foi um show de apenas 15 minutos de Paulo Ricardo, que tocou sucessos do RPM, Legião Urbana e Cazuza. Antes da apresentação, foi perguntado por uma repórter: "Paulo, você é de carnaval?". A resposta. "Não. Eu sou de libra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.