No exterior, eventos têm prioridade total

Polônia e Ucrânia, que receberão a Eurocopa, e Londres, sede da Olimpíada em 2012, põem torneios à frente de tudo

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / GENEBRA

Ao contrário do que ocorre no Brasil, países europeus têm dado alta prioridade à promoção das cidades escolhidas para grandes eventos esportivos.

Dois exemplos disso são a Polônia e a Ucrânia. No ano que vem elas serão, pela primeira vez, sedes da Eurocopa - considerado o terceiro maior evento esportivo do mundo, atrás apenas da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos. Organizadores preveem que durante o evento os dois países receberão perto de 500 mil estrangeiros extras.

No caso da Polônia, a opção do governo foi desembolsar recursos justamente para as cidades que foram selecionadas para receber partidas da Eurocopa, deixando de lado outros projetos, tidos como menos importantes.

Aeroporto e hotéis. Gdansk, por exemplo, não era considerada como uma prioridade. Mas, desde que foi selecionada para receber jogos, a cidade - berço do movimento que desencadeou a derrubada do regime comunista no país, nos anos 90 -, ganhou novo aeroporto e remodelação das estradas. Empresários dispostos a instalar hotéis na região receberam empréstimos a juros mais baixos. O mesmo fez a Ucrânia com Lviv, que espera um boom de turismo como uma das cidades sedes.

Outro evento de peso, os Jogos Olímpicos de 2012, ocorrerão em uma das cidades mais turísticas do mundo, Londres. Sem precisar de grandes investimentos na infraestrutura turística, as autoridades britânicas se limitaram a destinar cerca de US$ 80 milhões apenas para a promoção de Londres em campanhas de publicidade.

Pelas contas do governo, a cidade deverá faturar perto de US$ 3 bilhões apenas com os lucros do "turismo olímpico". Ao Estado, a assessoria de imprensa do VisitLondon, agência estatal de promoção da cidade, explicou que desde 2007 todos os projetos aprovados no setor do turismo estão intimamente relacionados com os Jogos. "Nada é aprovado se não fizer parte da estratégia de promoção dos jogos", afirma a assessoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.