TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO
Ex-policial de 52 anos, Yan (nome fictício) é usuário de ketamina há mais de uma década e conta o acesso à droga é mais fácil em São Paulo. Na foto, ele segura um vidro da substância, que depois transforma em pó para aspirar  TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

'No início, efeito era maravilhoso. Mas é tudo ilusão', conta usuário de ketamina

Ex-policial de 52 anos, Yan (nome fictício) usa a droga há mais de dez anos e em ritmo quase diário

João Ker, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2022 | 05h00

Apesar de não ser exclusiva desses espaços, a ketamina é popular nas baladas de música eletrônica por São Paulo, onde é conhecida como "keta", "key", "keyla" ou, se misturada com cocaína, como "c.k." ou "calvin klein". Assim Yan (nome fictício), de 52 anos, foi apresentado à droga. "Já conhece a keyla?", indagou um amigo em uma balada na Lapa, zona oeste paulistana. 

A primeira droga que tomou foi a "balinha" (ecstasy), mas ele conta que depois de um tempo não sentia mais efeito. Aí resolveu provar a ketamina. "No início, o efeito das luzes e do som era maravilhoso. Mas é tudo uma ilusão, né?", conta.

Na última década, foram três overdoses por cocaína. "Não sei como sobrevivi." Ele conta só escapar do vício de ketamina quando não está em São Paulo, onde o acesso à droga é mais fácil. "Às vezes tenho esses 'starts' de jogar fora (vidros de ketamina). Alguns amigos até falam 'louco, desperdiçando dinheiro!'" Ele diz pagar de R$ 250 a R$ 350 em um vidro com 50 ml do produto no estado líquido, que ele transforma em pó. Nas baladas, um pacote de 1g da droga já solidificada e pulverizada chega a R$ 100. 

"Hoje em dia ela já é encontrada até de cores diferentes, com a adição de corantes. Também já encontramos misturada com álcool e outras substâncias adulterantes", explica Marcos Franco, perito criminal do núcleo de entorpecentes da Polícia Técnico-Científica de São Paulo. 

Segundo Yan, "o esquema é uma incógnita, porque quem pega não conta" de onde a droga vem. Delegados ouvidos pela reportagem afirmaram que a ketamina vem de outros países para o Brasil, mas usuários e peritos relataram que há a compra direta em lojas de produtos veterinários e agrários, com desvios de receita ou da própria substância. Em nota, a Polícia Federal disse não ter encontrado a substância em nenhum exame toxicológico feito pela instituição. 

Já a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reforça que "não foi localizado registro legal e válido de medicamento contendo a substância" no Brasil.

A agência também afirma que a inclusão da cetamina na lista B1 de substâncias controlas é "mais adequada" porque, para a prescrição dos itens listados nesta categoria, a numeração dos receituários - que possuem um modelo oficial -  é concedida pela Autoridade Sanitária local "e, portanto, por meio do gerenciamento desta atividade, se torna mais ágil o monitoramento das prescrições emitidas pelos profissionais, os quais já poderão ser previamente conhecidos, bem como possibilita quaisquer intervenções necessárias de forma mais eficiente".

Tudo o que sabemos sobre:
drogasketaminadependência química

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Droga das baladas e dos golpes, cresce uso da ketamina

Em 2013, cinco exames feitos pela Polícia Técnico-Científica de São Paulo detectaram substância, que é anestésico para cavalo; nº saltou para 102 em 2021

João Ker, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2022 | 05h00

Usada oficialmente no País como tranquilizante anestésico para animais de grande porte, como cavalos, a cetamina (ou ketamina) tem crescido como droga popular para uso recreativo e aplicação de golpes do tipo "boa noite, Cinderela", em que criminosos drogam a vítima para praticar roubos e outros delitos. O Estado de São Paulo teve alta de 78,94% nos exames toxicológicos que detectaram a substância entre 2019 e 2021, segundo dados da Polícia Técnico-Científica obtidos pelo Estadão via Lei de Acesso à Informação. Em abril, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) elevou o grau de risco do produto. 

Em 2013, apenas cinco exames feitos pela Polícia Técnico-Científica apontaram a presença da ketamina. Já em 2022 foram 34, de janeiro a abril. O aumento no uso e nas apreensões tem sido gradual e atingiu o pico no ano passado, com 102 testes positivos para a droga, só entre casos oficialmente registrados. Em 2019, haviam sido 57. Os números são referentes a provas coletadas em investigações da polícia e enviadas aos institutos de Criminalística e Médico-Legal. Na prática, significa o aumento de apreensões de material do tráfico e de exames das vítimas de abuso

Em abril, a Anvisa atualizou o status da ketamina e da escetamina na lista de substâncias controladas. Com isso, ela "subiu" um degrau na classificação de perigo e saiu da C1, de "substâncias sujeitas a controle especial", para a B1, de "psicotrópicas" e "sujeitas à notificação de receita 'B'". O órgão disse que a mudança foi motivada "pela necessidade de maior controle" e de "possibilitar o aperfeiçoamento de medidas de combate ao seu uso irregular/recreativo como droga de abuso".

A diferença entre uma lista e outra também é vista no tipo de receita necessária para adquirir o produto. A nova versão exige, além de dados básicos do comprador, fornecedor e emitente, especificações sobre quantidade, forma farmacêutica, dose e posologia indicadas. Essas distinções entre o "tamanho" da dose e a forma da substância são, além do óbvio consentimento, o que diferencia o uso da ketamina para fins recreativos ou para golpes de abuso. No primeiro caso, a quantidade é menor e em pó branco ou colorido, a depender da presença de um corante; no segundo, a dosagem é maior e costuma ser na forma líquida, de fácil dissolução em drinques e bebidas. 

"O usuário de forma recreativa utiliza menos, se prepara e fica em ambiente protegido com os amigos. No uso criminoso, a quantidade é maior e a vítima está despreparada, o que faz ela confundir os sintomas com passar mal. O criminoso já atua ao lado para fingir que presta apoio", diz Alexandre Learth, perito criminal do Núcleo de Análise Instrumental da Polícia Técnico-Científica. "Em qualquer contexto, a ketamina apresenta sérios riscos e é perigosa, por isso tem de ser controlada."

Subnotificação

Em agosto de 2020, a Polícia Civil de São Paulo deflagrou as primeiras fases da Operação Hypnos. Batizada em alusão ao deus grego do sono, a investigação identificou e prendeu membros de uma quadrilha conhecida por agir em bares, baladas e restaurantes aplicando o golpe do "boa noite, Cinderela" com a ajuda da ketamina. Roberto Monteiro, delegado da 1.ª Seccional Centro, diz que a região sofreu simultaneamente aumento e mudança na forma dos crimes com a pandemia.

"Com a restrição de circulação, tornaram-se comuns os encontros dentro de casa. Sem a possibilidade de ir a locais públicos, muitos acabaram se relacionando por redes sociais e aplicativos, convidando os autores de crime para dentro das suas residências", afirma ele. 

Segundo Monteiro, "houve bastante apreensão de ketamina" na pandemia, o que pode significar aumento no tráfico e desvio da droga. "Isso facilitou para o marginal. Também tivemos muitos casos envolvendo pessoas da comunidade LGBT+, que são mais vulneráveis nesse sentido." Em uma ocorrência, conta, a vítima perdeu mais de R$ 150 mil via Pix e o roubo de TV, notebook e até roupas de grife. É comum que casos de "boa noite, Cinderela", com ou sem ketamina, sejam subnotificados. O caráter noturno e/ou sexual do golpe é agravante de culpabilização da vítima, que fica desconfortável para denunciar, por medo de ser desacreditada. 

Álvaro Pulchinelli, toxicologista do laboratório Fleury Medicina e Saúde, conta que isso dificulta ainda mais os diagnósticos. "Às vezes a pessoa fica na dúvida se teve contato com a substância, mesmo sem prestar queixas. Chega confusa e constrangida, porque é uma violência", diz, acrescentando notar "aumento de substâncias como a ketamina". A "vida útil" para ela ser identificada em exames é curta. Entre 2 e 6 horas após entrar no organismo, não está mais no sangue. Costuma durar mais na urina, mas não ultrapassa três dias, a depender do tanto ingerido e do metabolismo. "É comum a pessoa ir na festa quinta ou sexta e procurar a gente na terça ou quarta. Mas nem recomendamos o exame."

Delegados ouvidos pelo Estadão dizem que a ketamina vem de outros países, mas usuários e peritos relataram que há a compra direta em lojas de produtos veterinários e agrários, com desvios de receita ou da própria substância. Em nota, a Polícia Federal disse não ter encontrado a substância em nenhum exame toxicológico feito pela instituição. 

Já a Anvisa afirma que "não foi localizado registro legal e válido de medicamento contendo a substância" no Brasil. Acrescenta que, com a inclusão na lista B1, a numeração dos receituários – que têm modelo oficial – é concedida pelo órgão sanitário local, o que facilita o monitoramento. 

Tudo o que sabemos sobre:
drogasketamina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.