No macio azul do mar

O alto-comando da campanha de Dilma Rousseff, aquele residente um andar abaixo do ocupado pelo presidente Luiz Inácio da Silva, gostou do debate realizado pela TV Bandeirantes não só porque a candidata sobreviveu sem ferimentos graves.

Dora Kramer, dora.kramer@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2010 | 00h00

O que agradou mesmo foi o clima "morninho", como definiu menos de 24 horas depois um mandachuva da equipe.

"Para nós está bom assim, o rio correndo para o mar. Se continuar no mesmo ritmo a eleição está ganha."

Quer dizer, sem sobressaltos, sem lances espetaculares, sem arroubos emocionantes, sem movimentos bruscos. Um arroz com feijão bem feito parece ser a receita predileta da campanha petista, cujo coordenador em tela acha que já esgotou sua cota de tiros no pé.

"Demos todos os que tínhamos direito." Por exemplo, o registro na Justiça Eleitoral do documento A grande transformação aprovado em congresso do PT, como programa de governo, com restrições à liberdade de imprensa e violações ao direito de propriedade entre outros pontos eivados daquele modo todo especial que o PT tem de espantar eleitor em seus momentos xiitas.

Justo com Dilma, que não pode, segundo avaliação interna, dar margem a interpretações de que se eleita fará um governo marcadamente de esquerda. "Se Lula não pôde, ela muito menos. Não terá espaço para concessões à esquerda."

Pelo mesmo raciocínio do quanto mais frio melhor, boa parte do estoque de tiros no pé foi gasta nos primeiros 15 dias depois que Dilma deixou o ministério.

Ela vestiu o figurino de combate, "acreditou" no papel e saiu de pau e pedra para cima do então pré-candidato do PSDB, José Serra. Respondia a tudo, polemizava, fazia frases ("lobo em pele de cordeiro"), brigada sozinha, perdia o embate para si e o tucano só fazendo pose de bom moço.

Não falava mal de Lula e chegou a espalhar pânico nas hostes inimigas. "Ele estava assustadoramente perfeito."

O que foi assim tão perfeito? A atitude amena, que deixava os petistas na difícil situação de precisar criticar um adversário que elogiava o presidente. Foi na época em que Dilma repetia que Serra era ambíguo sobre ser ou não oposição. "Era um rebate fraco, nada convincente."

De acordo com a análise do comando petista, as coisas melhoraram depois que a candidata parou de responder a José Serra e ao mesmo tempo o tucano endureceu o discurso.

Na campanha governista o que se diz é que quanto mais oposicionista Serra se mostrar, melhor para Dilma.

Isso tanto pode ser a mais pura verdade como pode ser também um truque para levar o oponente para o lado que mais interessa.

Como distinguir? Impossível, melhor mudar de assunto.

Falar, por exemplo, sobre a expectativa em relação ao programa do horário eleitoral que estreia daqui a dez dias.

O centro dessa questão obviamente é o presidente Lula. A campanha quer dosar sua participação. Nem tanto que faça a candidata desaparecer nem tão pouco que não seja suficiente para dar uma deslanchada nas pesquisas.

Mas Lula em qualquer dose não é bom?

Depende. O QG petista cita o exemplo recente da campanha para a Prefeitura de Belo Horizonte. Tanto o então governador Aécio Neves e o então prefeito Fernando Pimentel apareceram na propaganda que o candidato Márcio Lacerda sumiu. Por pouco não perdeu a eleição.

Portanto, overdose de Lula nem pensar. São 45 dias de programas. Será feito um teste: dependendo do resultado nas primeiras duas semanas, a participação do presidente aumenta ou diminui.

Retomando aquela ideia do início de que a "eleição está ganha" se tudo transcorrer em ambiente morno - o que contraria o argumento de que a agressividade da oposição favorece Dilma -, vamos conferir as contas em relação à possibilidade de vitória no primeiro turno.

Há dois tipos de avaliação. A da maioria, mais otimista, aposta em 50% de chance. A do nosso interlocutor, porta-voz dos prudentes, cai para 5%.

Cálculo de gato escaldado, lembrando que em 2002 e 2006 as pesquisas indicavam vitória de Lula no primeiro turno e nas duas vezes a eleição foi decidida no segundo.

Temente a água fria, não se ilude facilmente: "Eleição engana muito a gente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.