No meio da Saara, um casarão renasce

Sobrado ganha reforma detalhada

, O Estadao de S.Paulo

01 Agosto 2009 | 00h00

Em meio ao burburinho do comércio popular da Saara, a 25 de Março carioca, o sobrado de 1880 pode até passar despercebido. Mas o olhar é rapidamente capturado pela beleza do casarão de números 312/314 da Rua Buenos Aires, no centro do Rio. Construído para ser sede da Real Associação Beneficente Conde de Mattosinhos e São Cosme do Velho, o imóvel de 350 metros quadrados vem sendo (sub) utilizado nas últimas décadas como ponto comercial e depósito. Reformado, está sendo transformado em centro cultural e espaço de festas. Vinculada à Coroa, a associação assistia imigrantes portugueses e tinha d. Pedro II no conselho administrativo. Essa ligação estreita é evidenciada por uma coroa na fachada, que tem na altura, maior que a dos vizinhos, e nos vários adornos, outros sinais de imponência. "Os portugueses que faziam doações não pouparam", diz Jorge Baptista de Azevedo, arquiteto responsável pela obra. A reforma foi iniciada um ano atrás. Estimava-se que duraria três meses. Logo os restauradores perceberam que havia muito a ser feito. Era preciso recuperar, principalmente, a pintura do salão nobre. A previsão agora é o fim do ano. "No passado, deixaram lixo e restos de móveis entulhados entre o teto do salão e o telhado. Foi criminoso", diz a restauradora Elaine Chagas, que coordenou cinco profissionais por seis meses. O desleixo fez surgirem infiltrações no salão. A água respingou nas pinturas. A claraboia no topo da escadaria principal - em jacarandá (o piso do imóvel é de peroba; a forração dos tetos, de pinho-de-riga) - também já teve a estrutura de ferro limpa. Toda a parte hidráulica e elétrica foi revista. A mentora foi a estilista Silvia de Bossens. Ela chegou ao sobrado, tombado pelo município do Rio e administrado pela Associação Luso-Brasileira, porque uma cliente sua é a atual locatária. Logo, a convenceu a restaurá-lo. A empresária não quer dar entrevista. Já Silvia, apaixonada pela casa e por sua história, fala com gosto dos planos de transformar a antiga associação beneficente em bistrô e espaço multimídia nos dias de semana, além de cenário de festas de casamento e outras comemorações aos sábados, domingos e feriados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.