No mundo

O acidente aéreo com o avião da TAM foi destaque nos principais meios de comunicação do mundo. Sites e jornais estamparam fotos do incêndio nas primeiras páginas. Programas de tevê entrevistaram especialistas para entender a tragédia. Apesar da atual crise no sistema aéreo brasileiro, a mídia internacional focou-se mais nos problemas estruturais do aeroporto de Congonhas. Os principais programas de notícia da emissora americana CNN e da britânica BBC cobriram extensamente o acidente. Especialistas fizeram uma análise da tragédia e apontaram o tempo, a pista e localização do aeroporto como os principais fatores do acidente. O jornal espanhol ''''El País'''', o italiano ''''Corriere della Sera'''' e o britânico ''''The Guardian'''' também fizeram uma cobertura extensa do caso. Com gráficos, simulações feitas em computador e galeria de fotos, os veículos explicaram a tragédia nos mínimos detalhes. O correspondente do ''''Corrieri'''', Rocco Cotroneo, chegou a comparar o incêndio causado pelo acidente com os atentados nos EUA em 2001:''''Inferno como o de 11 de Setembro''''. O jornal americano ''''The New York Post'''' estampou em sua capa uma foto do acidente com a seguinte manchete: ''''Bola de fogo''''. Já ''''The New York Times'''', ''''The Washington Post'''' e ''''Los Angeles Times'''' deram espaço para explicar a atual crise aérea brasileira. De acordo com o ''''The New York Times'''', o Brasil vive uma onda de cancelamentos de vôos e greves de controladores. A crítica mais feroz, no entanto, foi feita num editorial do jornal argentino ''''La Nación''''. ''''Brasil vive caos aéreo que torna um suplício voar no país'''', acusou a publicação. O chileno ''''El Mercurio'''', destacou o trabalho que os bombeiros tiveram para apagar o incêndio. Sempre polêmico, o jornalista do ''''The New York Times'''', Joe Sharkey comentou em seu blog o acidente em São Paulo. Na mensagem ''''Lições não aprendidas'''', ele criticou a decisão do Governo de São Paulo de abrir uma investigação criminal sobre o caso. O jornalista era um dos passageiros do Legacy que chocou-se com o avião da Gol no ano passado. Sharkey defende a inocência dos pilotos americanos, afirmando que ambos são perseguidos pelas autoridades do Brasil. Brasileiros deixaram mensagens no blog do jornalista, criticando seus comentários, que qualificaram de sarcásticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.