EFE/ETTORE FERRARI
EFE/ETTORE FERRARI

No Panamá, Francisco celebra a Via Sacra

Papa está no país participando da 34ª Jornada Mundial da Juventude

José Maria Mayrink, O Estado de S.Paulo

26 de janeiro de 2019 | 01h56

Uma liturgia penitencial, com homilia e confissões, foi um dos principais pontos da programação do papa Francisco, nesta sexta-feira, 25, pela manhã, no terceiro dia de sua visita ao Panamá, para a 34ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ). No fim da tarde, o papa celebrou a Via Sacra, nas ruas da capital, para lembrar a Paixão de Jesus Cristo.

Francisco aconselhou os  jovens internos do Centro de Reabilitação Las Garças, em Pacora, região metropolitana da Cidade do Panamá , a não se deixarem levar pelos rótulos que os fariseus aplicaram a Jesus, quando ele se aproximou de publicanos e pecadores.

"Jesus não tem medo de Se aproximar daqueles que, por inúmeras razões, carregavam o peso do ódio social, como no caso dos publicanos – lembremo-nos que os publicanos se enriqueciam roubando o seu próprio povo, provocando muita, mas muita indignação – ou o peso das suas culpas, erros e enganos, como no caso daqueles que eram conhecidos por pecadores”, disse o papa.

“Amigos – continuou  Francisco – cada um de nós é muito mais do que os rótulos que nos dão. Assim Jesus no-lo ensina e convida a acreditar. O seu olhar desafia-nos a pedir e procurar ajuda para percorrer os caminhos da superação. Por vezes a murmuração parece vencer, mas não acrediteis, não lhe presteis ouvidos. Procurai e ouvi as vozes que impelem a olhar para diante e não aquelas que vos desencorajam”

Ao final da celebração, o papa atendeu em confissão, ao lado de bispos e sacerdotes, os fiéis que foram pedir o perdão para seus pecados. Foram espalhados pela praça 300 confessionários confeccionados por presidiários panamenhos.

Via Sacra

A cerimônia da Via Sacra, iniciada às 17h30 ( 20h30 no Brasil), refletiu as dificuldades e os sofrimentos da América Latina, com destaque para a situação da Venezuela e as vítimas da pobreza no Haiti foram lembrados.

Jovens brasileiros falaram da esperança, ao descrever a cena do Cirineu que ajudou Jesus a carregar a Cruz. Corrupção, discriminação da mulher e condenação do aborto também foram temas abordados.

Encerrando a cerimônia, o papa Francisco afirmou que todos os sofrimentos de Cristo a caminho do Calvário se repetem hoje nos países latino-americanos e em outras partes do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.