Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

No Rio, 16 são presos por fazer parte de milícia

Entre os presos estão dois advogados e PMs; segundo homem da milícia foi preso em casa com uma escopeta

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

28 de maio de 2009 | 12h12

Pelo menos 16 pessoas já foram presas nesta quinta-feira, 28, durante a Operação Leviatã 2, da Polícia Civil do Rio de janeiro, contra um grupo de milicianos. Entre os presos estão dois advogados, identificados como Marcelo Bianchini Penna e Carlos Alberto Costa de Oliveira, e dois policiais militares. Entre os presos estão policiais militares que já estão detidos administrativamente no Batalhão Prisional da PM.

 

Veja também:

linkNo Rio, 8 são presos por participar de milícia

link'Batman' é acusado de porte ilegal de armas  

 

O segundo homem da quadrilha, Marcos Silva da Rocha, o Bicudo, que havia substituído o chefe da gangue Fabrício Fernandes Mirra, o Mirra, que já havia sido preso anteriormente, foi preso em casa com uma escopeta.

 

A operação mobilizou 200 policiais de 10 delegacias para desarticular a milícia considerada a mais forte do Estado do Rio de Janeiro, que tem como base o Morro do 18, no bairro de Quintino e de Anchieta. A ação policial é respaldada por 33 ordens de prisão.

 

Os agentes estouraram um paiol da quadrilha onde foram apreendidos quatro revólveres, quatro pistolas, duas escopetas calibre 12, um submetralhadora, três radiotransmissores e grande quantidade de munição.

 

Segundo a polícia, os milicianos tomaram, anteriormente, 23 blocos de apartamento de um conjunto residencial, o Village Pavuna, em Anchieta, pertencente à Caixa Econômica Federal, e venderam cada unidade por R$ 5 mil somado a uma mensalidade por tempo indeterminado.

Mais conteúdo sobre:
milíciasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.